Busca avançada
Ano de início
Entree

Correlações genéticas e fenotípicas entre características de eficiência alimentar, crescimento e carcaça em bovinos Nelore selecionados para peso pós desmame

Processo: 16/16251-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 28 de fevereiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Genética e Melhoramento dos Animais Domésticos
Pesquisador responsável:Maria Eugênia Zerlotti Mercadante
Beneficiário:Maria Eugênia Zerlotti Mercadante
Instituição-sede: Instituto de Zootecnia. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Nova Odessa, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/16118-5 - Ferramentas genômicas no melhoramento genético de características de importância econômica direta em bovinos da raça Nelore, AP.TEM
Assunto(s):Consumo alimentar residual 

Resumo

A seleção de bovinos de corte para a eficiência alimentar levará a redução dos custos de produção, no entanto, ela não pode ter impactos negativos sobre o peso e a qualidade da carcaça. O objetivo do presente estudo foi estimar correlações fenotípicas (rf) e genéticas (rg) entre características de eficiência alimentar [gain:feed, consumo alimentar residual (CAR), consumo alimentar residual ajustado para espessura de gordura no lombo (CARegl) e para espessura de gordura no lombo e na garupa (CAReg), ganho de peso residual (GANR), consumo e ganho residual (CGR), consumo e ganho residual utilizando o CARegl (CGRegl) e o CAReg (CGReg)] e características de interesse econômico como peso à seleção (PSEL), altura (ALT), perímetro torácico (PTOR), área de olho de lombo (AOL), espessura de gordura no lombo (EGL) e na garupa (EGG). O banco de dados continha 955 registros de consumo de matéria seca (CMS), ganho médio diário (GMD) e peso vivo metabólico (PV0,75) obtidos pós desmame em testes de desempenho de 83±15 dias de duração. Para PSEL foram utilizados 8078 registros de machos e fêmeas, ajustados para 378 dias e 550 dias de idade, respectivamente. Para ALT, PTOR, AOL, EGL e EGG foram utilizados, respectivamente, registros de 6548, 3876, 2283, 2285 e 1817 machos ao ano e fêmeas ao sobreano. Os componentes de variância foram estimados pelo método da máxima verossimilhança restrita, com modelo animal em análises bicaracterísticas. As estimativas de herdabilidade (h2) de CMS, GMD e PV0,75 foram 0,45, 0,41e 0,53, respectivamente. As estimativas de h2 de EAB, CAR, CARegl, CAReg, GANR, CGR, CGRegl e CGReg foram 0,14; 0,24; 0,20; 0,22; 0,19; 0,15; 0,11 e 0,11, respectivamente. Todas as rf entre as características estudadas foram próximas de zero, exceto entre as características de eficiência alimentar com CMS e GMD. As rg entre CMS, GMD e PV0,75 foram altas com as características de crescimento (maior que 0,61) e baixas a médias com as características de carcaça (entre 0,15 e 0,48). Dentre as características de eficiência alimentar, o GANR foi o que apresentou maior rg com PSEL, ALT e PTOR (0,34, 0,25 e 0,34, respectivamente) e menor rg com as espessuras de gordura subcutânea (-0,17 e 0,18). As rg entre CAR, CARegl e CAReg com PSEL foram desfavoráveis (0,17, 0,23 e 0,22) assim como com EGL (0,37, 0,33 e 0,33) e EGG (0,30, 031 e 0,32). As rg entre EAB, CGR, CGRegl e CGReg e características de crescimento foram baixas e favoráveis (0,07 a 0,22) e entre espessuras de gordura foram médias e desfavoráveis (-0,22 a -0,45). A inclusão da espessura de gordura subcutânea nos modelos de cálculo do CAR não diminuiu a rg entre essas características. A seleção de animais mais eficientes na utilização de alimentos implicará em mudança genética baixa ou nula para crescimento e negativa para espessura de gordura subcutânea da carcaça. (AU)