Busca avançada

Efeitos da prática do yoga em pacientes com esclerose múltipla: uma abordagem multidimensional

Processo: 16/13104-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2016 - 31 de outubro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Elisa Harumi Kozasa
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEPAE). Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE). São Paulo, SP, Brasil
Pesq. associados:Danilo Forghieri Santaella ; Edson Amaro Junior ; Eliseth Ribeiro Leão de Andrade Silva ; Joana Bisol Balardin ; Karina Inacio Ladislau de Carvalho ; Luiz Vicente Rizzo ; Patrícia Maria de Carvalho Aguiar ; Sara Lazar ; Shirley Silva Lacerda
Assunto(s):Yoga  Esclerose múltipla  Cognição  Fadiga  Neurociências  Neuroimagem 

Resumo

Introdução: A esclerose múltipla (EM) é um dos transtornos neurológicos mais comuns que são causa de invalidez em adultos jovens. 60% dos pacientes não caminharão mais de forma plena em algum momento, trazendo grandes implicações para a qualidade de vida do paciente e familiares e custo financeiro para a sociedade. Apesar da significância clínica da EM, sua patofisiologia não é completamente compreendida. Muitas das pesquisas têm investigado o papel de linfócitos T e B, o grau de lesão e atividade do sistema nervoso central através de estudos de neuroimagem, ou a marcha dos pacientes, de forma isolada. Uma abordagem multidimensional, associando estas diversas técnicas, faz-se necessária para conhecer melhor seus mecanismos e verificar os efeitos de terapias, algumas delas não convencionais como o yoga, um método seguro, de baixo custo, e que pode ser mais acessível a pacientes com EM, em especial com dificuldades de mobilidade, do que outros exercícios. Em pacientes com EM existem poucos estudos controlados, mas que indicam, melhora da fadiga, mobilidade e humor. Objetivos: Comparar pacientes com diferentes escores do EDSS (Expanded Disability Status Scale) quanto aos parâmetros fadiga, qualidade de vida, movimento, cognição, atividade cerebral, auto-eficácia, estresse, ansiedade, depressão, afetividade e capacidade efetora de secreção de citocinas e produção de anticorpos das células B. Avaliar os efeitos da prática de yoga em pacientes com EM (EDSS<6) nestes parâmetros. Método: será aplicada uma abordagem multidimensional que envolverá avaliação neuropsicológica, ressonância magnética estrutural e funcional, near infrared spectroscopy (NIRS) combinada a análise do movimento, comparando pacientes com diferentes escores do EDSS e os efeitos do treinamento em yoga. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Praticante de yoga tem área cerebral associada à memória mais espessa