Busca avançada
Ano de início
Entree

Fenotipagem forense do DNA para inferência de características de cor de pele, olhos e cabelo em amostra brasileira

Processo: 16/03284-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2016 - 30 de setembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Medicina Legal e Deontologia
Pesquisador responsável:Cintia Fridman Rave
Beneficiário:Cintia Fridman Rave
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesq. associados:Fernanda de Toledo Gonçalves
Bolsa(s) vinculada(s):17/00493-8 - Fenotipagem forense do DNA para inferência de características de cor de pele, olhos e cabelo em amostra brasileira, BP.TT
Assunto(s):Genética forense  Antropologia forense 

Resumo

A análise do DNA para investigações forenses se baseia no conceito de que cada indivíduo é único geneticamente, exceto em casos de gêmeos monozigóticos. O DNA obtido de amostras biológicas é capaz de individualizar este material por meio da comparação direta do perfil genético, gerado por análise de STRs, obtido da amostra biológica de origem desconhecida com o perfil de uma amostra referência. Uma das maiores limitações desta técnica é a necessidade de uma amostra referência para comparação. Os estudos dos polimorfismos de base única (SNPs) que buscam compreender a relação entre determinados polimorfismos e certas características fenotípicas são crescentes e têm gerado resultados promissores no auxílio à ciências forenses. O processo de inferir características externamente visíveis (ou EVCs -Externally Visible Characteristics), dentre elas a cor de pele, a cor da íris e a cor do cabelo, com finalidade forense, a partir da verificação de suas amostras biológicas é conhecido como Fenotipagem Forense do DNA ou FDP (Forensic DNA Phenotyping). Logo, a FDP fornece mais detalhes sobre o sujeito ao qual determinada amostra biológica pertence, sem a necessidade de uma amostra referência para análise comparativa. O uso dessa tecnologia em populações miscigenadas como a nossa é recente e tem sido útil na determinação da eficiência desses SNPs na população brasileira. Nosso projeto anterior (Processo FAPESP 2012/02043-6) avaliou 15 SNPs (11 deles que fazem parte do sistema Hirisplex) e mostrou que alguns desses marcadores puderam ser associados com as características de cor de pele, olho e cabelo. A partir desses resultados, achamos interessante ampliar as análises para o restante dos marcadores usados nos sistemas Hirisplex e Hirisplex-S, já validados para predição fenotípica de cor de pele, olho e cabelo na comunidade científica e avaliar também a ancestralidade genômica dos indivíduos, por meio da análise de INDELs. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.