Busca avançada

INCT 2014 - Envelhecimento e Doenças Genéticas: Genômica e Metagenômica

Processo: 14/50931-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de julho de 2017 - 30 de junho de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Convênio/Acordo: CNPq - INCTs
Pesquisador responsável:Mayana Zatz
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Antonio Condino Neto ; Débora Romeo Bertola ; Edson Amaro Junior ; João Carlos Setubal ; Maria Rita dos Santos e Passos Bueno ; Mariz Vainzof ; Oswaldo Keith Okamoto ; Regina Célia Mingroni Netto ; Yeda Aparecida de Oliveira Duarte
Assunto(s):Envelhecimento  Doenças genéticas  Genômica  Metagenômica  Longevidade 

Resumo

Longevidade e envelhecimento saudável são temas de grande interesse. Eles dependem de uma interação complexa entre DNA nuclear e mitocondrial, o meio ambiente e a microbiota, isto é, a população de bactérias que vivem nas diferentes partes do nosso corpo com seu conjunto de genes. Entender esse equilíbrio complexo entre o genoma e o ambiente é um dos maiores desafios. Qual é a influência de variantes genômicas e epigenômicas, do sistema imune sobre o envelhecimento? Quanto nosso microbioma interfere ou contribuí com nossa saúde e doenças? Poderia o nosso microbioma ajudar a explicar a "missing herdability" em doenças complexas? Esse projeto tem como objetivo pesquisar essas questões através de diferentes estratégias e expertises. Dados sobre a manutenção da capacidade cognitiva e a estrutura do cérebro funcional serão obtidos através de ressonância magnética (MRI). Medidas sócio demográficas em vários níveis irão contribuir para estabelecer o panorama das contribuições ambientais e sua influência na saúde e longevidade. Entre o conjunto de técnicas que planejamos utilizar, modelos funcionais, principalmente a nível celular serão essenciais para ajudar-nos a entender os mecanismos específicos responsáveis pelo processo de envelhecimento normal e patológico. Na expectativa de aumentar nossa compreensão em relação a essas questões, vamos investigar três grandes grupos de indivíduos: a) indivíduos saudáveis de São Paulo, com mais de 60 anos, (coorte SABE) que foram acompanhados por muitos anos e farão parte da maioria dos suo-projetos a serem desenvolvidos; b) uma coleção de dados de pessoas que faleceram de causas naturais com mais de 50 anos, obtida do Banco de Cérebros; c) uma amostra de indivíduos com doenças genéticas associadas a uma rápida degeneração ou doenças complexas que poderiam ser causadas parcialmente pelo microbioma humano. Indivíduos averiguados no estudo populacional de São Paulo são altamente miscigenados e podem ser etnicamente diferentes das populações de outras regiões do Brasil. Portanto, para validar nossos achados moleculares em outras populações brasileiras, planejamos também incluir populações de diferentes regiões e ancestralidade e ambientes. Uma população de quilombolas, primordialmente afrodescendentes e uma coorte da Paraíba com alta consanguinidade. Além disso, duas populações de Vitória, Espírito Santo, serão averiguadas: a primeira com alta proporção de nonagenários; a segunda com alta frequência de pessoas com sobrepeso; ambas são resultantes de miscigenação europeia (Itália, Pomerania, Áustria e Portugal) e Afro-Ameríndia. Também serão estudados pacientes e modelos animais com doenças de envelhecimento precoce ou doenças neuromusculares e neurodegenerativas. Nosso objetivo principal é contribuir para a elucidação de fatores responsáveis pela grande variabilidade associada ao envelhecimento, estudando também doenças genéticas no intuito de aumentar a nossa compreensão acerca da longevidade saudável. Para conseguir esse objetivo, a constituição dessa rede com a participação de pesquisadores de diferentes Estados é fundamental. Ela permitirá reunir uma amostra expressiva de indivíduos de diferentes etnias, que não existe para a população brasileira, e que é essencial para os estudos populacionais propostos nesse projeto. É importante salientar que o grupo de S. Paulo já mantém uma estreita colaboração com os pesquisadores dos outros Estados e que já resultaram em várias publicações conjuntas. Outro objetivo desta proposta é o projeto educacional, disseminando a ciência, o qual tem o propósito de estimular a curiosidade a motivar o público para tópicos relacionados com a genética. Cartazes com questões provocativas sobre Genética serão distribuídos em estações de metrô, terminais de ônibus e em escolas públicas, direcionando para um site que pode ser acessado por telefone celular. A primeira campanha, "Similar, mas diferente", está em andamento em São Paulo (http://www.genoma.ib.usp.br). Os parceiros pesquisadores de outros estados irão coordenar estas campanhas em suas regiões. Para alcançar todos estes objetivos montamos um grupo de cientistas experientes em diferentes áreas de interesse, tal como biologia molecular (em relação ao DNA nuclear, mitocondrial, RNA e proteínas), imunologia, além de outros com experiência em imagens, metagenômica, bioinformática e ciência da computação bem como profissionais da área clínica. (AU)