Busca avançada

INCT 2014: em Materiais Complexos Funcionais (INOMAT)

Processo: 14/50906-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de julho de 2017 - 30 de junho de 2023
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química
Convênio/Acordo: CNPq - INCTs
Pesquisador responsável:Fernando Galembeck
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Eduardo Galembeck ; Erico Teixeira Neto ; Fernando Aparecido Sigoli ; Italo Odone Mazali ; Luciana Wasnievski da Silva de Luca Ramos ; Marcos Nogueira Eberlin ; Maria do Carmo Gonçalves ; Oswaldo Luiz Alves
Assunto(s):Nanotecnologia  Materiais nanoestruturados 

Resumo

Este novo projeto de INCT é apresentado pela mesma equipe que concluiu o projeto anterior, com algumas alterações. Ela preserva as características essenciais do desempenho na primeira fase que permitiram aos avaliadores emitirem pareceres muito positivos com relação aos resultados anteriores, em todas as frentes de atuação. Por outro lado, essa proposta foi construída sobre os resultados obtidos, propondo um foco definido com maior precisão e respondendo às grandes mudanças no contexto científico e tecnológico até seis anos depois da elaboração da proposta anterior. A base da proposta é a atividade científica intensa e de alta qualidade dos grupos de pesquisa participantes, validada pelo interesse despertado pelos seus resultados junto aos pares, junto aos profissionais de empresas inovadoras, formuladores/implementadores de políticas públicas e no público. A viabilidade da transformação de novo conhecimento científico em produtos e processos depende do tipo de conhecimento gerado, da familiaridade que os cientistas tenham com o contexto econômico e social no qual atuam e da sua capacidade de diálogo com o pessoal de empresas de quaisquer setores da economia. No primeiro programa INCT, os membros do INOMAT obtiveram resultados científicos que responderam a importantes questões científicas e abriram novas fronteiras de pesquisa. Ao mesmo tempo, empenharam-se em interagir com empresas, de várias formas: consultoria, projetos conjuntos de P&D, transferência de tecnologia e prestação de serviços tecnologicamente complexos. Os resultados científicos e tecnológicos obtidos foram abundantes e de alta qualidade, colocando membros do INOMAT em posição destacada na fronteira da ciência e do cenário brasileiro de inovação. Membros do INOMAT têm participado do desenvolvimento de produtos e processos, trabalhando com profissionais de empresas de vários setores industriais. Além disso, a atuação do INOMAT em difusão científica e tecnológica ofereceu conhecimento e atividades inovadoras e de alto nível a grandes números de pessoas, incluindo mais de um milhão de estudantes do ensino fundamental e médio. O objetivo central da nova proposta é a criação de novos materiais complexos funcionais e a sua incorporação a produtos inovadores, bem como dos respectivos processos de produção, acompanhada de uma avaliação dos riscos ambientais e toxicológicos eventualmente associados a esses materiais. As atividades de criação de materiais irão estender-se a todas as etapas do trabalho de pesquisa fundamental, teórica e experimental que leve à existência de um novo material, candidato a tornar-se a base de um produto inovador. A incorporação de novos materiais a produtos resulta em inovações radicais e também em melhorias incrementais viabilizadas pela incorporação de nova ciência a produtos já existentes, contribuindo para a sustentabilidade desses produtos, das empresas produtoras (de várias origens e portes) e da atividade econômica no Brasil. A atenção aos processos de produção e transformação de materiais, que era implícita na fase anterior do INOMAT é mais destacada neste novo projeto, incluindo processos avançados de micro e nanomanufatura. A avaliação de riscos, que foi iniciada durante a fase anterior do INOMAT e cresceu bastante durante sua execução, torna-se parte integrante da proposta com a consolidação e intensificação da pesquisa sobre as biofuncionalidades de nanomateriais, incluindo nanotoxicologia, nanobiotecnologia e aplicações nas áreas da saúde e da melhoria do meio ambiente. Temas: os novos materiais, seus processos de produção e seus impactos sobre a saúde humana e o ambiente formam um universo muito amplo. Neste projeto, foram delimitados alguns temas, definidos pelos resultados esperados e pela sua compatibilidade com as linhas de pesquisa dos grupos formadores do INCT. Os temas foram escolhidos pelas oportunidades que representam, obedecidos os seguintes critérios: 1) viabilidade de realização de contribuições científicas importantes, à vista do atual estado da arte, da posição do grupo responsável pela linha de pesquisa no cenário internacional, dos recursos materiais disponíveis e da interação com os demais temas considerados neste projeto; 2) viabilidade de transformação dos resultados obtidos em novos produtos e processos, considerando-se as interações entre os grupos de pesquisa, empreendedores e empresas novas ou já existentes e considerando-se também os riscos eventualmente criados por novos produtos e processos; 3) sinergias entre os vários temas e linhas de pesquisa considerados, que recomendem a sua incorporação a este projeto. Os temas de pesquisa estão agrupados como segue: i) síntese e caracterização de materiais; ii) processamento e fabricação (inclusive micro- e nanofabricação) de materiais; iii) biofuncionalidades de nano materiais (saúde e toxicologia; iv) materiais eletrizados e processos eletrostáticos. Os planos de pesquisa detalhados estão no documento “projeto de pesquisa” em anexo. O nível de detalhamento é o compatível com o limite do tamanho do arquivo anexado, definido no edital. O orçamento está distribuído entre todos os itens permitidos. A maior parcela se destina a bolsas de várias categorias, predominando as de PDJ e incluindo bolsas para atividades de difusão científica e tecnológica. Uma parcela importante foi alocada à aquisição de um equipamento de grande porte, com um grande potencial na caracterização de materiais com resolução espacial nanométrica e uma excepcional capacidade de especiação química, hoje indisponível no Brasil, que é uma microssonda Auger. Cerca de um quinto do orçamento foi alocado para despesas de custeio e pequenas despesas de capital dos grupos de pesquisa participantes. Uma parcela inferior a um décimo está reservada para o custeio de atividades de difusão científica e de gestão. (AU)