Busca avançada

Estudo de seguimento das coortes de Campinas e de Ermelino Matarazzo do estudo FIBRA: preditores e desfechos da fragilidade em idosos no Brasil

Processo: 16/00084-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de agosto de 2017 - 31 de julho de 2022
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Monica Sanches Yassuda
Beneficiário:
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Anita Liberalesso Neri
Pesq. associados:Alex Antonio Florindo ; André Fattori ; Deusivania Vieira da Silva Falcão ; Ivan Aprahamian ; Ligiana Pires Corona ; Maria José D Elboux ; Meire Cachioni ; Monica Rodrigues Perracini ; Ruth Caldeira de Melo ; SAMILA SATHLER TAVARES BATISTONi
Assunto(s):Demência  Idosos  Cognição 

Resumo

A fragilidade é uma síndrome clínica associada a desfechos negativos em saúde. O estudo da fragilidade entre idosos brasileiros é de especial relevância, visto que estes vivem em condições diferentes de idosos europeus e norte-americanos, quanto à renda, escolaridade, acesso à saúde e oportunidades sociais. Estas diferenças podem alterar a configuração desta síndrome no Brasil, assim como seus antecedentes e desfechos. Objetivos: Esta investigação objetiva realizar a avaliação de seguimento após sete anos de duas coortes de idosos que foram incluídas no estudo de base populacional FIBRA pólo UNICAMP, com coleta de dados realizada entre 2008 e 2009 em Campinas (n=900) e Ermelino Matarazzo (n=384). Pretende-se responder as seguintes perguntas de pesquisa: 1. Entre os idosos robustos em 2008/2009, quantos se tornaram pré-frágeis e frágeis após sete anos e quais fatores, dentre um conjunto de medidas sócio demográficas, psicológicas, sociais e de saúde predizem a fragilização?; 2. A fragilidade e pré-fragilidade identificadas em 2008/2009, em uma parcela da amostra original, estão associadas a quais desfechos em saúde após sete anos (por exemplo, morte, imobilidade, dependência funcional, demência, hospitalização, outros)?; 3. Entre os idosos robustos, pré-frágeis e frágeis em 2008/2009, quantos desenvolveram transtorno neurocognitivo maior ou leve e quais fatores, dentre um conjunto de medidas sócio demográficas, psicológicas, sociais e de saúde predizem estas condições? Métodos: Os participantes da amostra original serão contatados por carta e posteriormente por telefone para identificação da situação atual do participante e possível agendamento de entrevista domiciliar. Será reaplicado o protocolo original do estudo FIBRA, mediante ajustes, para coleta de dados sócio demográficos, de saúde, perfil neurocognitivo e psiquiátrico, antropometria, indicadores de fragilidade, características psicossociais e consumo alimentar. O familiar do participante será entrevistado para obtenção de informações sobre perfil neurocognitivo e deverá ser o informante principal se o participante estiver impossibilitado de participar. Este estudo longitudinal deverá gerar informações sobre fatores que a longo prazo predizem fragilização dentro os idosos robusto na amostra de base e poderá identificar os desfechos da fragilidade entre os idosos identificados inicialmente como frágeis ou pré-frágeis. Está investigação fornecerá informações sobre fatores passíveis de intervenção que poderão atenuar ou postergar desfechos negativos em saúde associados à fragilidade. (AU)