Busca avançada

O Cráton Rio de la Plata e o Gondwana Ocidental

Processo: 15/03737-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de setembro de 2017 - 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Miguel Angelo Stipp Basei
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Benjamim Bley de Brito Neves ; Mario da Costa Campos Neto ; Umberto Giuseppe Cordani ; Wilson Teixeira
Pesq. associados: Carlos Eduardo Ganade de Araujo ; Cláudia Regina Passarelli ; Colombo Celso Gaeta Tassinari ; Kei Sato ; Leonardo Fadel Cury ; Liliana Sayuri Osako ; Maria Helena Bezerra Maia de Hollanda ; Maria Irene Bartolomeu Raposo ; Marly Babinski ; Neivaldo Araujo de Castro ; Ossama Mohamed Milad Harara ; Oswaldo Siga Junior ; Paulo Roberto dos Santos ; Renata da Silva Schmitt ; Ruy Paulo Philipp
Assunto(s):Geoquímica isotópica  Gondwana  Supercontinentes 

Resumo

O objetivo central deste projeto é caracterizar a evolução tectônica do Cráton Rio de la Plata (CRP), o desenvolvimento dos cinturões de dobramentos adjacentes, e a interação com os outros fragmentos continentais durante a formação de Gondwana Ocidental. O projeto é para um mínimo de cinco anos, com início em 2017 e terá a participação de 20 investigadores nacionais e 12 externos. Visa reunir um número de ações interligadas que podem ser resumidas em duas linhas principais de ação integrada: (1) implementação de novas técnicas geocronológico-isotópicas com a melhoria instrumental na USP e (2) estudo de detalhe da constituição geológica e estrutural do CRP bem como de suas relações tectônicas com o Terreno Pâmpia e os Crátons Paranapanema, Luiz Alves, Kalahari, Angola e Congo, e com os cinturões de dobramento circundantes. O projeto compila várias vertentes interligadas, que podem ser resumidas como segue: 1) propõe a esclarecer a construção e a dispersão dos supercontinentes Rodínia, Gondwana e Pangea; 2) as Ciências da Terra dependem da integração de estudos detalhados de campo com técnicas de laboratório. Os isótopos fornecem as idades das rochas e podem fornecer informações sobre suas origens crustal ou mantélica. As principais instalações de centros geocronológicos de pesquisa na América do Sul estão na USP (CPGeo), e seu progresso contínuo é fundamental para o avanço da pesquisa nas Ciências da Terra. Detalhadamente os objetivos são: (i) aquisição de uma fonte de Cs para SHRIMP para microanálises de oxigênio; (ii) implementação de protocolos para vários minerais e aprimoramento nas rotinas das análises de Sr, Nd e Pb em LA-ICPMS para resolução de problemas da evolução crustal; 3) para o CRP informações geológicas relacionadas com a formação e dispersão de um supercontinente permanecem limitadas, em comparação com outros crátons, como sua relação com fragmentos cratônicos vizinhos e sua posição inferida em Rodínia. Em parte, isso reflete a falta de pesquisas paleomagnéticas mesmo que em termos tectonoestratigráficos. Assim o RPC será caracterizado em detalhe, principalmente na sua composição e geologia estrutural e suas relações com os terrenos Pâmpia (Pa), Paranapanema (Pr), Luiz Alves (LA), Kalahari (K), Angola (Ag) e Congo (Co) e as faixas móveis adjacentes. Este objetivo será atingido através do estudo geológico coordenado de cinco áreas-alvo em todo o CRP. Em todas as áreas, o foco será sobre a composição, idade e evolução crustal: a) domínio central do CRP - constituição, caracterização de seu embasamento e de sua cobertura; b) o domínio N-NW - interação entre os crátons Rio de la Plata e Paranapanema e as correlações destes segmentos com as Províncias Tocantins e Mantiqueira; c) domínio S - caracterização das margens sul do CRP e suas relações com a Patagônia; d) domínio W - relações entre o CRP e o Terreno Pampia; e) domínio oriental - interação do CRP e Congo-Kalahari, desenvolvimento da Província Mantiqueira e dos cinturões de dobramento do SW da África; 4) o objetivo final é para melhorar e assegurar a formação e liderança científica. Este projeto destina-se a expandir a escala do nosso conhecimento na busca de rochas manto-derivadas, geração e evolução da crosta continental e seus recursos preservados. Problemas de correlação entre as associações da rocha e processos dentro e fora da América do Sul são questões essenciais que exigem abordagens semelhantes por diferentes grupos de trabalho em diferentes áreas. (AU)