Busca avançada

As baladas como espaços de exposição a riscos: uma investigação etnográfica da violência, sexo inseguro e abuso de álcool e outras drogas nestes ambientes

Processo: 12/21258-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de novembro de 2012
Vigência (Término): 30 de junho de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva
Pesquisador responsável:Zila van der Meer Sanchez Dutenhefner
Beneficiário:
Instituição-sede : Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/51658-0 - Padrões de consumo de álcool e outras drogas em baladas: epidemiologia, etnografia e intervenção, AP.JP
Assunto(s):Casas noturnas   Alcoolismo   Prevenção do abuso de drogas   Etnografia   Jovens

Resumo

As casas noturnas ou bares, onde há música, dança e venda de bebidas alcoólicas, frequentadas em geral por jovens, são locais de risco para o uso abusivo de álcool e vem sendo denominadas de "baladas" na cidade de São Paulo. O excesso no consumo de bebidas alcoólicas nestas "baladas" e todo o comportamento decorrente da intoxicação tem sido tema de interesse científico internacional nos últimos anos e, paralelamente tem ganhado espaço na mídia nacional. A literatura internacional descreve associação dos padrões mais intensos de consumo de álcool nestes estabelecimentos com episódios de agressão física, comportamento sexual de risco, violência sexual e acidentes de trânsito após a saída do local. A compreensão dos fatores associados a este consumo de risco de álcool nas baladas é fundamental para que programas preventivos, com foco no estabelecimento e nos frequentadores sejam desenvolvidos e implantados a fim de diminuir o consumo de risco. No Brasil, este tema ainda é pouco (ou quase nada) estudado e, devido a suas implicações na saúde coletiva e nas políticas públicas, merece grande aprofundamento. Uma forma de diagnosticar os comportamentos de risco praticados nas baladas é a investigação epidemiológica e etnográfica destes estabelecimentos na cidade de São Paulo. Os dados obtidos oferecerão direcionamento de ações preventivas destinadas à população exposta, baseando-se em dados da realidade local. Desta forma, este projeto tem como objetivo central a investigação etnográfica de baladas na cidade de São Paulo, visando identificar os principais comportamentos de risco desenvolvidos nestes locais, avaliando o papel determinante dos próprios frequentadores e dos funcionários do estabelecimento. Entrevistas semiestruturadas com donos dos estabelecimentos, funcionários (barmen e seguranças) e frequentadores assíduos, associados a observações participantes do estabelecimento em atividade, serão utilizados na coleta de dados. A análise de conteúdo das entrevistas e do diário de campo permitirá descrição do fenômeno e inferências qualitativas sobre os fatores de risco identificados nestes estabelecimentos (violência, sexo inseguro, abuso de álcool e drogas) e sua possível determinação por crenças e atitudes dos envolvidos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Consumo excessivo de álcool na balada expõe homens e mulheres a riscos diferentes 

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CARLINI, CLAUDIA; ANDREONI, SOLANGE; SANCHEZ, ZILA M. Environmental Factors Associated with Psychotropic Drug Use in Brazilian Nightclubs. JOURNAL OF URBAN HEALTH-BULLETIN OF THE NEW YORK ACADEMY OF MEDICINE, v. 94, n. 4, p. 549-562, AUG 2017. Citações Web of Science: 0.
CARLINI, CLAUDIA; ANDREONI, SOLANGE; MARTINS, SILVIA S.; BENJAMIN, MIGUEL; SANUDO, ADRIANA; SANCHEZ, ZILA M. Environmental characteristics associated with alcohol intoxication among patrons in Brazilian nightclubs. DRUG AND ALCOHOL REVIEW, v. 33, n. 4, SI, p. 358-366, JUL 2014. Citações Web of Science: 10.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.