FAPESP Logo

Biogeografia de Selenastraceae (Chlorophyceae, Sphaeropleales): cosmopolitismo e padrão de distribuição sob a luz da sistemática molecular

Processo: 16/07089-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2016
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Taxonomia Vegetal
Pesquisador responsável:Armando Augusto Henriques Vieira
Beneficiário:
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/50054-4 - Biodiversidade de microalgas de água doce: banco de germoplasma e obtenção de marcadores moleculares das espécies criopreservadas, AP.BTA.TEM
Assunto(s):

Biogeografia

Resumo
A hipótese de Baas-Becking (1934) tem corroborado com a visão cosmopolita de distribuição dos microrganismos há décadas, dizendo que todos os organismos estão em todos os ambientes, sendo o meio responsável pela seleção dos mesmos. Embora estudos de biodiversidade tragam informações sobre a ocorrência dos taxa compreendidos nos diversos grupos fitoplanctônicos existentes na natureza, estudos sobre a dispersão e distribuição das algas verdes cocóides são inexistentes neste extenso grupo de algas. A família Selenastraceae, abundante nos mais diversos cursos d'agua, é considerada com distribuição cosmopolita e ocorrência nas mais diversas regiões climáticas: dos trópicos até próximo dos ciclos polares. O objetivo principal deste estudo é obter dados sobre a distribuição dos gêneros que estão molecularmente definidos dentro de Selenastraceae, como Selenastrum, Messastrum, Kirchneriella e Raphidocelis e empregar o marcador molecular ITS para delimitar cepas de uma mesma espécie e a sua distribuição no globo. (AU)
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP