Busca avançada

Interações entre seres humanos e a fauna silvestre: influência do contexto ecológico sobre a atitude das pessoas em relação a espécies de mamíferos silvestres

Processo: 16/06789-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2017
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Renata Pardini
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/23457-6 - Projeto interface: relações entre estrutura da paisagem, processos ecológicos, biodiversidade e serviços ecossistêmicos, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Atitudes

Resumo

Os conflitos com a fauna silvestre vêm aumentando em ritmo acelerado nos últimos anos e hoje são considerados uma das maiores ameaças à conservação da vida silvestre globalmente. Pesquisas sobre estes conflitos concentram-se em duas abordagens relativamente isoladas que raramente são exploradas conjuntamente: uma que foca nos determinantes ecológicos dos conflitos (e.g. como a estrutura da paisagem afeta a fauna e por consequência os danos causados por ela), e outra centrada nos aspectos relacionados às dimensões humanas (e.g. quais fatores socioeconômicos ou experiências passadas influenciam a atitude em relação à fauna). Os conflitos são, entretanto, processos de interação, e como tal, interligam os componentes ecológicos (e.g. estrutura da paisagem, estrutura das comunidades animais) e humanos (e.g. crenças, atitudes e comportamentos humanos) dos sistemas socioecológicos. Assim, projetos interdisciplinares que aproximem estas duas vertentes de pesquisa são fundamentais para dar suporte a estratégias de redução dos conflitos com vistas à conservação da biodiversidade. Através do foco em três espécies distintas de mamíferos - gambá, cachorro-do-mato e onça-parda - pretendemos testar hipóteses sobre como a cobertura florestal remanescente na paisagem influencia a frequência de danos e o contato das pessoas com estas espécies (componente ecológico), e como estas experiências passadas influenciam as crenças associadas a riscos e benefícios trazidos pelas espécies e a atitude em relação a elas (componente humano). Para tanto, aplicaremos questionários estruturados via entrevista a 120 proprietários rurais distribuídos em 12 paisagens que variam na proporção de cobertura florestal remanescente na região Cantareira-Mantiqueira. (AU)