Busca avançada

Análise Estrutural Comparativa de Fosfolipase A2 Ácidas Tóxicas e Não-Tóxicas Isoladas de Venenos de Serpentes.

Processo: 08/00977-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2008
Vigência (Término): 31 de março de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Andreimar Martins Soares
Beneficiário:
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:05/54855-0 - Toxinas animais: estrutura, função e aplicações biotecnológicas, AP.TEM
Assunto(s):Venenos de serpentes   Proteínas   Cristalografia de proteínas   Inflamação

Resumo

O veneno das serpentes é constituído por diversos componentes protéicos como proteases (metalo e serinoproteases), fosfolipases A2 (PLA2), L-aminoácido oxidases, entre outros, capazes de induzir diferentes efeitos fisiopatológicos. Estes venenos de serpentes são ricas fontes de fosfolipases A2 e essas enzimas possuem uma grande variedade de efeitos farmacológicos e/ou tóxicos, como mionecrótico, anticoagulante, inibição de agregação plaquetária, neurotoxicidade, cardiotoxicidade, hipotensão arterial e envolvimento nos processos inflamatório. As PLA2s ácidas de venenos de serpentes ainda não foram claramente caracterizadas do ponto de vista da relação estrutura-função, fazendo com que nos últimos anos aumentasse o interesse sobre seus estudos. O projeto propõe estudos bioquímicos, farmacológicos e estruturais comparativos entre as fosfolipases A2 ácidas tóxicas e não-tóxicas isoladas de venenos de serpentes na tentativa de melhor compreender o(s) possível(eis) mecanismo(s) de ação(ões) destas enzimas. Dentro deste contexto, este projeto propõe a análise funcional e estrutural comparativa das PLA2s ácidas tóxicas e não-tóxicas isoladas dos venenos de Bothrops moojeni (BmooTX-I, PLA2 ácida tóxica e Bmoo-I-PLA2, não-tóxica), B. pirajai (BpirPLA2 ácida não-tóxica) e Lachesis muta (LmTX-I, PLA2 ácida tóxica), avaliando: (i)-As atividades enzimáticas (fosfolipásica sobre diferentes substratos) e farmacológicas (efeito sobre plaquetas); (ii)-Os efeitos sobre a resposta inflamatória (ensaios in vitro avaliando a expressão das enzimas COX-1 e COX-2; (iii)-Os estudos estruturais, na tentativa de elucidar a estrutura tridimensional destas diferentes proteínas por técnicas de cristalografia de raios X e modelagem molecular. Desta forma, este projeto permitirá a possível elucidação do mecanismo de ação das PLA2s ácidas sobre a toxicidade e o processo inflamatório. (AU)