Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos reprodutivos, endócrinos, citotóxicos e genotóxicos dos agroquímicos acefato, carbendazim e mancozebe isolados ou em mistura: estudo de toxicidade juvenil em ratos

Processo: 17/23063-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2018 - 31 de maio de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Histologia
Pesquisador responsável:Juliana Elaine Perobelli
Beneficiário:Juliana Elaine Perobelli
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Pesq. associados:Rita Luiza Peruquetti
Bolsa(s) vinculada(s):19/04588-9 - Efeitos reprodutivos, endócrinos, citotóxicos e genotóxicos dos agroquímicos acefato, carbendazim e mancozebe isolados ou em mistura: estudo de toxicidade juvenil em ratos, BP.TT
18/21228-3 - Efeitos reprodutivos, endócrinos, citotóxicos e genotóxicos dos agroquímicos acefato, carbendazim e mancozebe isolados ou em mistura: estudo de toxicidade juvenil em ratos, BP.TT
18/10330-1 - Efeitos reprodutivos, endócrinos, citotóxicos e genotóxicos dos agroquímicos acefato, carbendazim e mancozebe isolados ou em mistura: estudo de toxicidade juvenil em ratos, BP.TT
Assunto(s):Ratos  Agroquímicos  Toxicologia 

Resumo

Agroquímicos são os produtos químicos sintéticos mais utilizados no mundo. Têm a função de minimizar pragas que interferem na produção da grande maioria das culturas agrícolas. Desde 2009, o Brasil é o país que mais utiliza agroquímicos no mundo. Resíduos desses produtos contaminam alimentos, solo e água, levando à exposição ambiental de toda a população mundial. Em condições reais, essa exposição ocorre a misturas complexas de agroquímicos, que podem estabelecer efeitos sinérgicos ou aditivos entre si, potencializando os danos à saúde. Alguns estudos têm se dedicado a investigar injúrias causadas por misturas de agroquímicos em modelos experimentais, porém a grande maioria utiliza indivíduos adultos. Nesse contexto, a importância de estudos de toxicidade juvenil/pré-puberal tem sido destacada na literatura recente por se tratar de um período de grande sensibilidade durante o desenvolvimento pós-natal. Tendo em vista a escassez de estudos com misturas químicas em modelos de toxicidade juvenil, o presente projeto de pesquisa visa investigar se a exposição pré-puberal a doses baixas de Carbendazim, Acefato e Mancozebe, isolados ou em mistura, causa repercussões imediatas sobre parâmetros reprodutivos, endócrinos e danos no DNA de ratos machos juvenis da linhagem Wistar. Esses agroquímicos foram escolhidos por terem sido apontados em relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) como aqueles presentes em maiores quantidades na dieta dos brasileiros, ultrapassando muitas vezes o Limite Máximo de Resíduo (LMR) permitido por lei. Os ratos serão expostos aos agroquímicos isolados ou em mistura, via oral por gavagem do dia pós-natal 23 ao 53, quando serão eutanasiados e avaliados quanto: (i) parâmetros histomorfométricos dos testículos, epidídimos e atividade de enzimas antioxidantes nesses órgãos; (ii) níveis séricos de hormônios sexuais e expressão de receptores endócrinos teciduais nos testículos e epidídimos; (iii) histopatologia hepática e renal; (iv) danos no DNA em sangue periférico e medula óssea (teste do COMETA e micronúcleo). A hipótese inicial considera a ocorrência de um efeito sinérgico ou aditivo entre os três agroquímicos em estudo, potencializando a ação de cada químico individualmente, interferindo na homeostase endócrina e oxi-redox do organismo durante esse período crítico do desenvolvimento pós-natal do sistema reprodutor masculino. Machos sexualmente imaturos serão utilizados como modelo experimental, uma vez que são organismos mais susceptíveis em relação a indivíduos adultos, pouco estudados, e mimetizam a condição de crianças expostas aos agroquímicos na alimentação. É importante ressaltar que a população em geral encontra-se exposta a estes agentes químicos, através dos alimentos, água e solo contaminados. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.