Busca avançada
Ano de início
Entree

Exposição à cetamina, ao etanol e à associação de ambas as substâncias: avaliação da neurotoxicidade em células SH-SY5Y

Processo: 17/21834-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2018 - 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Raphael Caio Tamborelli Garcia
Beneficiário:Raphael Caio Tamborelli Garcia
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Assunto(s):Toxicologia  Neurotoxicidade  Etanol 

Resumo

O uso ilegal do anestésico sintético cetamina entre adolescentes e adultos jovens é grande. É importante mencionar também o uso terapêutico por indivíduos depressivos não-responsivos ao tratamento convencional com antidepressivos, além do uso ilegal por profissionais de saúde pela facilidade de obtenção do anestésico. Além disso, vale ressaltar a onipresença do álcool e o seu elevado consumo no Brasil, especialmente durante a adolescência, sendo consumido juntamente com outras substâncias, como as novas drogas psicotrópicas (por exemplo, a cetamina), podendo causar danos irreversíveis ao sistema nervoso central decorrentes da sua associação. Assim, o presente estudo pretende investigar os mecanismos que permeiam a morte celular após a exposição à cetamina, ao etanol e à associação em cultura de células de neuroblastoma humano SH-SY5Y. Serão realizadas curvas concentração-resposta para as substâncias utilizando ensaios de viabilidade celular (XTT, LDH e anexina / iodeto de propídeo - citometria de fluxo). Serão avaliadas proteínas envolvidas na via intrínseca (caspase-9, Bax e Bcl-2) e extrínseca (caspase-8/-10) da apoptose; caspases efetoras (caspase-3/-7); PARP-1 clivada e não clivada; apoptose independente da ativação de caspases (AIF e ENDOG) e o processo autofágico (LC3-II). Os métodos empregados no projeto incluem: western blot, citometria de fluxo e imunofluorescência. (AU)