Busca avançada
Ano de início
Entree

Os transportadores de dicarboxilato (DICs) e as proteínas mitocondriais desacopladoras (UCPs) como alvos para o aumento da tolerância das plantas aos estresses abióticos

Processo: 17/25139-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2018 - 31 de maio de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Ivan de Godoy Maia
Beneficiário:Ivan de Godoy Maia
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Auxílios(s) vinculado(s):19/08846-2 - O mecanismo primário de tolerância ao estresse abiótico facilitado pelos genes rol, AP.R SPRINT
Assunto(s):Mitocôndrias  Arabidopsis  Estresse abiótico 

Resumo

Os transportadores mitocondriais estão envolvidos no intercâmbio de metabólitos e intermediários entre a mitocôndria e o citoplasma celular. Pela sua conhecida participação na manutenção da homeostase mitocondrial e na reposta das plantas aos estresses ambientais, esses transportadores se tornaram alvos importantes da pesquisa vegetal. Neste contexto, o presente projeto terá como foco os transportadores de dicarboxilato (DICs), cujo papel é ainda pouco estudado, e as proteínas mitocondriais desacopladoras (UCPs), sabidamente importantes na modulação do estado redox. A nossa hipótese de trabalho é que o melhor entendimento das funções in planta dos referidos transportadores irá auxiliar abordagens futuras que visam manipular os genes alvos para a aquisição de tolerância aos estresses abióticos. Assim, diferentes abordagens estão sendo propostas para investigar o papel e a relevância das diferentes isoformas destes transportadores presentes em Arabidopsis thaliana no metabolismo mitocondrial e nos mecanismos de tolerância aos estresses. Espera-se que os dados a serem gerados empregando, dentre outros, superexpressão e nocaute gênico forneçam subsídios para melhor compreender as respectivas funções in planta das referidas proteínas e demonstrar a relevância fisiológica de cada uma delas na aquisição de tolerância aos estresses. Acredita-se que os dados a serem gerados irão fornecer subsídios importantes para melhor compreender as respectivas funções in planta das referidas proteínas visando aplicações futuras em estudos translacionais. (AU)