Busca avançada
Ano de início
Entree

Resíduos e contaminantes em alimentos infantis e mamadeiras: desenvolvimento e validação de métodos analíticos

Processo: 17/11635-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2018 - 31 de julho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Ciência de Alimentos
Pesquisador responsável:Helena Teixeira Godoy
Beneficiário:Helena Teixeira Godoy
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados:Adriana Dillenburg Meinhart ; José Teixeira Filho
Assunto(s):Nitrosaminas  Análise de alimentos  Acrilamida  Ftalatos  Agrotóxicos  Alimentos infantis 

Resumo

Lactentes e crianças de primeira infância representam um vulnerável grupo à toxicidade de certos compostos formados durante o processamento térmico dos alimentos, migrantes de embalagens e contaminantes ambientais, uma vez que as vias metabólicas ainda são imaturas e o consumo alimentar por peso corpóreo é maior quando comparado aos adultos. Evidencias sugerem que a exposição precoce a estes compostos aumenta o risco do desenvolvimento de determinadas doenças crônicas, incluindo alguns tipos de cânceres e doenças neurodegenerativas, como também disfunções no sistema endócrino e no sistema reprodutor. Ademais, a Comunidade Europeia estabeleceu limites máximos de resíduos (LMRs) para agrotóxicos e alguns hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs) em alimentos infantis processados, além de limites de migração específica (LME) para aditivos como os ftalatos e antioxidantes, bem como nitrosaminas em materiais de contato com alimentos. Até o momento, estudos sobre a ocorrência de contaminantes formados durante o processamento térmico, como acrilamida e 5-hidroximetilfurfural, bem como HPAs, certos contaminantes ambientais e migrantes de embalagens, tais como resíduos de agrotóxicos, compostos perfluorados, ftalatos, antioxidantes e nitrosaminas, além de estudos sobre os níveis de estrogênios naturais, não têm sido realizados nos alimentos infantis e materiais de contato com alimentos destinados a crianças disponíveis comercialmente no mercado brasileiro. Neste cenário, o projeto proposto tem como objetivo desenvolver métodos analíticos com referência em técnicas analíticas seletivas e sensíveis de preparo de amostra, tais como a extração em fase sólida, microextração líquido-líquido dispersiva, extração por par iônico e extração acelerada por solvente, combinadas à espectrometria de massas de alta resolução e sequencial, com o propósito de atingir os limites estabelecidos pela Comunidade Europeia, maximizar a extração dos analitos de interesse, minimizar o efeito matriz, e consequentemente obter resultados exatos e precisos sobre a ocorrência destes compostos em alimentos infantis e mamadeiras. (AU)