Busca avançada
Ano de início
Entree

Automação do processo de inoculação em massa do parasitóide Cotesia flavipes

Processo: 17/14615-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de junho de 2018 - 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia
Pesquisador responsável:Elitamara Morsoletto
Beneficiário:Elitamara Morsoletto
Empresa:Biocontrol Sistema de Controle Biológico Ltda (Biocontrol)
CNAE: Fabricação de defensivos agrícolas
Comércio atacadista de defensivos agrícolas, adubos, fertilizantes e corretivos do solo
Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
Município: Sertãozinho
Pesquisadores principais:Anderson Iheiji Festuccia Kobayashi ; Rita de Cassia Granzotto Araújo
Pesq. associados: Afonso Celso Turcato ; Andre Luis Dias ; Gisele Baraldi Messiano
Bolsa(s) vinculada(s):18/10806-6 - Automação do processo de inoculação em massa do parasitóide Cotesia flavipes, BP.TT
Assunto(s):Automação  Controle biológico  Cotesia flavipes  Inoculação  Produção em massa  Pragas de plantas  Brocas (insetos nocivos)  Cana-de-açúcar 

Resumo

Diatraea saccharalis ou broca-da-cana, é considerada a principal praga na cultura de cana-de-açúcar devido, entre outros, à frequência com que ocorre e aos elevados prejuízos causados. O controle biológico dessa praga por intermédio da vespa parasitoide Cotesia flavipes tem sido amplamente utilizado como alternativa aos defensivos químicos que, além dos impactos negativos mais comuns, apresentam baixa eficiência devido à dificuldade em penetrar nos colmos, onde o inseto se desenvolve. Este é o principal método de controle aplicado no Brasil. Entretanto, o processo atual de produção desses parasitoides envolve diversos procedimentos manuais que são trabalhosos e sensíveis em qualidade, tornando-se um obstáculo à produção em larga escala. As restrições do trabalho manual, associadas à projeção de crescimento da produção brasileira de cana-de-açúcar, alertam à necessidade de inovar tal modelo de produção, afim de garantir a hegemonia do parasitoide sobre o uso de agrotóxicos. A automação do processo de produção da vespa proporcionará melhor controle de qualidade e maior produtividade, além de reduzir erros humanos, contaminação dos agentes biológicos, espaço físico requerido e custos de produção. Dentro das bio-fábricas, o departamento de inoculação é prioritário à automação, pois é o principal limitante à produtividade e o que tem maior peso sobre o custo total de produção. Sendo assim, este projeto de pesquisa propõe desenvolver um protótipo para automatizar o processo de inoculação, que é realizado de forma manual, aproximando a lagarta da vespa para que ocorra o parasitismo (ou inoculação). O protótipo consistirá em uma esteira transparente sobre a qual estarão posicionadas as lagartas, com iluminação incidente de baixo para cima e uma câmara com transparência na base inferior, instalada acima da esteira transportadora e onde serão alocadas as vespas. Objetiva-se que as vespas sejam atraídas pela luz em adição ao odor da broca e assim inocule seus ovos na broca. (AU)