Busca avançada
Ano de início
Entree

Origem da alta variabilidade de associações multivalentes meióticas em cromossomos holocêntricos de escorpiões Tityus (Archaeotityus)

Processo: 17/25839-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de junho de 2018 - 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Marielle Cristina Schneider
Beneficiário:Marielle Cristina Schneider
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Assunto(s):Citogenética  Telômero 

Resumo

Os escorpiões representam um grupo intrigante de animais, caracterizados pela alta incidência de rearranjos cromossômicos heterozigotos. Neste trabalho, nós examinamos seis espécies de Tityus (Archaeotityus) da fauna brasileira com o objetivo principal de elucidar os rearranjos responsáveis pela variabilidade intraespecífica de número diploide e a presença de grandes cadeias cromossômicas na meiose. Para verificar a diversidade interpopulacional, para quatro espécies nós também estudamos indivíduos de diferentes localidades. A maioria das espécies apresentaram polimorfismo intraespecífico no numero diploide (2n=19 e 2n=20 em T. clathratus, T. mattogrossensis, e T. pusillus, 2n=16, 2n=17 e 2n=18 em T. paraguayensis, 2n=16 e 2n=24 em T. silvestris) e associações de diversos cromossomos na meiose I, as quais diferiram entre indivíduos com o mesmo numero diploide. Em algumas espécies, os rearranjos heterozigotos não estavam fixados, resultando, como em Tityus clathatrus, em 11 configurações cromossômicas distintas reconhecidas dentro de uma mesma população. Com base no comportamento dos cromossomos na meiose, nós sugerimos que rearranjos independentes (fusão/fissão e translocações recíprocas) ocorreram em diferentes combinações, originando as cadeias cromossômicas. Para avaliar os efeitos destas cadeias cromossômicas na segregação durante a meiose, nós aplicamos o teste do qui-quadrado em células em metáfase II. O resultado não significativo para a ocorrência de células aneuploides indica que a ausência de não disjunção em espécimes portadores de rearranjos heterozigotos. Finalmente, considerando muitas características cromossômicas, como a natureza holocêntrica dos cromossomos, meiose aquiasmática, endopoliploidia, abilidade para segregar cromossomos heterosinapsados ou não sinapsados, presença de sequencias teloméricas (TTAGG)n localizadas somente na região terminal dos cromossomos rearranjados, nós sugerimos que a manutenção das associações multi-cromossômicas podem ter uma vantagem evolutiva para estas espécies. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.