Busca avançada
Ano de início
Entree

Incorporação de nanocristais de celulose em resinas odontológicas para base protética e reembasamento. caracterização química e efeito sobre propriedades físicas, mecânicas e biológicas

Processo: 17/26512-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2018 - 30 de novembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Ana Carolina Pero Vizoto
Beneficiário:Ana Carolina Pero Vizoto
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Pesq. associados:Daniel Pasquini
Bolsa(s) vinculada(s):18/12622-0 - Incorporação de nanocristais de celulose em resinas odontológicas para base protética e reembasamento. caracterização química e efeito sobre propriedades físicas, mecânicas e biológicas, BP.TT
Assunto(s):Resistência à flexão  Propriedades físicas  Prótese total  Biofilmes  Resinas acrílicas  Nanocristais de celulose 

Resumo

Os materiais para confecção e reembasamento de próteses totais ou parciais estão sujeitos constantemente a forças repetidas oriundas da mastigação, além de variações de temperatura e exposição a solventes e fluidos orais, podendo levar a alterações nas propriedades físicas e mecânicas destes materiais. A utilização de biopolímeros de fontes renováveis como agentes de reforço nanométricos pode representar uma importante inovação em materiais odontológicos. Nanocristais de celulose (CNC) isolados a partir de polpa de madeira através de hidrólise ácida serão utilizados como agentes de reforço em resinas acrílicas para base de prótese (Lucitone 550 - LU, termopolimerizável em banho de água, e Onda-Cryl - OC, ativada por energia de micro-ondas) e resinas para reembasamento (Kooliner - KL e Soft Confort Dura - SC). Serão avaliadas propriedades mecânicas (viscoelásticas e resistência flexural), físicas (rugosidade, dureza, energia livre de superfície e estabilidade de cor), e biológicas (formação de biofilme) das quatro resinas após a incorporação dos CNC. Serão estabelecidos vinte grupos experimentais (n=10), de acordo com o tipo de resina acrílica (LU, OC, KL ou SC) e concentração do agente (0%, 0,25%, 0,5%, 0,75% e 1,00%). A caracterização das resinas, para todos os grupos (n=1) será realizada por meio de Espectroscopia de Infravermelho por Transformada da Fourier (FTIR) e Calorimetria Diferencial de Varredura (DSC). Corpos-de-prova retangulares (64 x 10 x 3,3 mm) serão obtidos para as análises térmica dinâmico-mecânica (DMTA) e resistência flexural (FS). Discos de resina acrílica (15 x 3 mm) serão obtidos para a avaliação da rugosidade, dureza, energia livre de superfície, estabilidade de cor e formação de biofilme. As leituras de estabilidade de cor serão realizadas por meio de um espectrofotômetro (E), a rugosidade será mensurada em rugosímetro digital Ra (µm), a dureza Vickers no microdurômetro Micromet 2100, e a energia livre de superfície será mensurada a partir de medidas de ângulo de contato, obtidas por meio de um goniômetro conectado a um sistema computadorizado. Para avaliar a formação de biofilmes simples e mistos de C. albicans e S. mutans, os corpos-de-prova serão inoculados e incubados a 37ºC por 48h. Após esse período, cada corpo-de-prova será transferido para tubos contendo solução salina. Em seguida, serão realizadas diluições seriadas da suspensão resultante e alíquotas dessas diluições serão semeadas em placas de Petri. Após 48h a 37ºC de incubação, será realizada a contagem de unidades formadoras de colônias/ mL (UFC/mL) e será realizada a caracterização dos corpos-de-prova (n=2) por meio de Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV), em cada condição experimental. Para todas as variáveis, os dados serão tabulados e submetidos a testes estatísticos adequados, de acordo com a aderência à normalidade, e será empregado um nível de significância de 5%. (AU)