Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel de OGT em osteoclastos na perda óssea experimental

Resumo

O remodelamento ósseo é um processo metabólico caracterizado pela atividade equilibrada de dois tipos celulares, os quais promovem a degradação (reabsorção) e síntese da matriz óssea, sendo eles os osteoclastos e osteoblastos respectivamente. Um desequilíbrio em favor dos osteoclastos, decorrente de alteração hormonal, processo infeccioso ou trauma, resulta na perda óssea patológica. Utilizando ferramentas farmacológicas, nosso grupo de pesquisa identificou que a O-GlcNAcilação de proteínas induzida pela enzima uridine diphospho-N-acetyl-glucosamine (OGT) é importante para a formação e função dos osteoclastos in vitro. Neste sentido, se faz necessário aprofundar nosso conhecimento sobre a relevância biológica dessa modificação proteica em osteoclastos, regulando a remodelação óssea fisiológica e patológica. Essas informações serão importantes para fundamentar outras possíveis intervenções preventivas ou terapêuticas em processos osteolíticos patológicos. Para isso, o presente projeto pretende empregar animais deficientes da enzima OGT especificamente nos osteoclastos (Ctpsk-Cre OGT-flox e LysM-Cre OGT-flox) em dois modelos experimentais de perda óssea: osteoporose induzido por ovariectomia e lesão periodontal experimental. Especificamente, serão avaliados o efeito da O-GlcNAcilação sobre alterações dinâmicas óssea in vivo: determinação de parâmetros bioquímicos séricos de metabolismo ósseo CTX e TRAP (reabsorção) e BGP e P1NP (formação óssea); bem como a presença e ativação de osteoclastos por PCR, Western Blot e zimografia. Serão ainda avaliadas as características e extensão da perda óssea por histomorfometria e microtomografia computadorizada (DMO, trabeculado ósseo, espessura da cortical óssea). (AU)