Busca avançada
Ano de início
Entree

Diabetes mellitus e doenças associadas na população adulta bororo da reserva indígena de Meruri - MT

Processo: 17/20500-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2018 - 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Medicina Preventiva
Pesquisador responsável:Laercio Joel Franco
Beneficiário:Laercio Joel Franco
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Amaury Lelis Dal Fabbro ; Anderson Soares da Silva ; João Paulo Botelho Vieira Filho ; Regina Celia Mello Santiago Moises
Assunto(s):Diabetes mellitus  Epidemiologia  Aculturação  Síndrome metabólica 

Resumo

Introdução: A epidemia de diabetes tipo 2 é um fenômeno mundial. Populações de países em desenvolvimento e de alguns grupos étnicos, em particular a população indígena das Américas são de maior risco. As descrições sobre a elevada frequência de diabetes na população indígena se restringem mais à América do Norte e à América Central. Há poucos relatos sobre a presença de diabetes entre os índios brasileiros e os existentes reportam uma baixa prevalência. Trabalho desenvolvido por nosso grupo entre os índios Xavante das reservas de Sangradouro/Volta Grande e São Marcos, que estão em contato permanente com a sociedade brasileira a partir 1956, mostrou uma prevalência de diabetes de 28,2% na população adulta, ou seja uma prevalência três vezes maior do que a referida para a população geral brasileira. Em território vizinho ao dos Xavante, na reserva indígena de Meruri-MT, existem os índios Bororo, que pertencem ao mesmo grupo linguístico dos Xavante , o Macro Jê, e estão em contato permanente com a nossa sociedade desde 1902 e que pelos relatos existentes , apresentam uma frequência muito baixa de diabetes. A convivência entre os Xavante e os Bororo é de hostilidade, sendo inimigos tradicionais. A existência de duas populações, com baixo grau de miscigenação, habitando uma mesma área geográfica, do mesmo grupo linguístico e que se distinguem pelo tempo de contato com a sociedade brasileira e pela diferente prevalência de diabetes, pode servir de modelo interessante para estudar fatores relacionados à etiologia do diabetes tipo 2. Objetivos : 1 - Avaliar a prevalência de diabetes e doenças associadas entre os índios Bororo da Reserva de Meruri. 2 - Comparar a prevalência de diabetes entre os Bororo e os Xavante em relação a algumas variáveis antropométricas, nutricionais, clínicas e metabólicas procurando identificar fatores relacionados com as diferenças. Metodologia: Será desenvolvido um inquérito na reserva de Meruri, localizada no sudeste do Estado de Mato Grosso, durante três ou quatro viagens, para examinar a população adulta Bororo, estimada em cerca de 300 indivíduos. Todos os indivíduos que concordarem em participar do inquérito e assinarem o TCLE, realizarão uma avaliação clínica, com aferição do peso, altura, circunferências do abdômen, quadril e coxa, pressão arterial, bioimpedância e coleta de amostras de sangue para a realização de dosagens de glicemia, lípides, apolipoproteínas, leptina, adiponectina, Proteína C Reativa , peptídeo C e HbA1c. As dosagens serão realizadas no Laboratório Central do Hospital São Paulo da Escola Paulista de Medicina. Será realizada uma glicemia capilar de jejum através de glicosímetro portátil (OneTouch); para os indivíduos sem história de diabetes e com glicemias de jejum inferiores a 200 mg/dl será realizada uma sobrecarga com 75g de glicose e dosagem da glicemia duas horas após. Uma amostra de sangue será utilizada para a extração de DNA, para estudos de associação genômica ampla (GWAS) visando identificar loci de suscetibilidade para diferentes traços metabólicos (intolerância à glicose, dislipidemia, níveis de adiponectina e composição corporal de gordura). Para os indivíduos com diabetes será coletada uma amostra casual de urina para determinação de microalbumina e creatinina urinárias. Análise de dados: As análises iniciais consistirão da descrição de frequências das condições de interesse e de análise de associações entre alguns fatores de risco e presença de doença. Pela natureza transversal do estudo, serão ajustados modelos multivariáveis para analisar modelos de regressão linear ou logística múltipla. Aspectos Éticos: O estudo foi aprovado pelo CEP da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP, pela CONEP e FUNAI. A comunidade da Reserva de Meruri foi visitada pelo coordenador da pesquisa nos anos de 2015, 2016 e 2017, quando o estudo foi apresentado e discutido com as lideranças locais. (AU)