Busca avançada
Ano de início
Entree

Novas abordagens visando diagnóstico rápido e diferencial da pitiose equina

Processo: 18/08009-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2018 - 31 de julho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Sandra de Moraes Gimenes Bosco
Beneficiário:Sandra de Moraes Gimenes Bosco
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Giselle Souza da Paz ; João Pessoa Araújo Junior ; José Cavalcante Souza Vieira ; Lucilene Delazari dos Santos ; Marília Afonso Rabelo Buzalaf
Assunto(s):Proteínas  Micologia médica  Pitiose 

Resumo

Causada pelo oomiceto Pythium insidiosum, a pitiose é uma doença emergente que ocorre em países de clima tropical e subtropical acometendo principalmente equinos, cães e humanos. A doença é de difícil diagnóstico, e frequentemente confundida com outras enfermidades que desenvolvem lesões granulomatosas em equinos. O tratamento da pitiose também é difícil, uma vez que, por ser um oomiceto, o patógeno não responde satisfatoriamente aos fármacos antifúngicos disponíveis devido à ausência de ergosterol na membrana plasmática, necessitando de procedimentos cirúrgicos. Desta forma, propomos a padronização e validação da técnica de qPCR e qPCR-HRM para o diagnóstico precoce e diferencial entre as lesões granulomatosas causadas por P. insidiosum e/ou fungos zigomicetos. Nas amostras que resultarem-se negativas para pitiose e/ou zigomicose, será realizado diagnóstico diferencial para habronemose e sarcóide equino. Para o desenvolvimento dessa etapa do estudo será padronizada uma qPCR para o diagnóstico específico de P. insidiosum utilizando os primers Pi1 e Pi2 derivados da região ITS1 do rDNA. Para a realização de um diagnóstico rápido e diferencial será implementada a qPCR-HRM para a diferenciação molecular de P. insidiosum e fungos zigomicetos, utilizando primers oriundos da região 18S do rRNA. As amostras negativas na qPCR-HRM serão submetidas a análise molecular para Habronema spp. e Papilomavírus bovino 1, 2 e 13 (agentes etiológicos de sarcóide equino), principais diagnósticos diferenciais de pitiose em equinos. Além disso, também será realizada a caracterização de proteínas totais deste oomiceto, bem como a avaliação da(s) proteína(s) imunodominante(s) de P. insidosum na pitiose equina, utilizando-se técnicas analíticas, tais como eletroforese bidimensional, Western blot, espectrometria de massas e bioinformática. A partir da caracterização da(s) proteína(s) imunodominante(s) é esperada a identificação de antígeno(s) do patógeno, o(s) qual(is) poderá(ão) auxiliar no diagnóstico da pitiose equina, bem como no desenvolvimento de um novo imunoterápico visando seu tratamento. (AU)