Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigações sobre etiopatogenia, fisiopatologia e terapêutica em humanos e em modelo experimental com a cardiomiopatia da Doença de Chagas

Processo: 16/25403-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de maio de 2018 - 30 de abril de 2023
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:José Antonio Marin-Neto
Beneficiário:José Antonio Marin-Neto
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisadores principais:André Schmidt ; Benedito Carlos Maciel ; Marcus Vinicius Simões
Pesq. associados:Edecio Cunha Neto ; Helio Cesar Salgado ; João Santana da Silva ; Maria de Lourdes Higuchi ; Minna Moreira Dias Romano ; Rubens Fazan Júnior
Assunto(s):Cardiologia  Arritmias cardíacas  Cardiomiopatias  Doença de Chagas  Trypanosoma cruzi  Isquemia 

Resumo

Pesquisas de cunho etiopatogênico, fisiopatológico e terapêutico no âmbito da doença de Chagas (DC) acometendo humanos e animais infectados experimentalmente pelo T. cruzi conduzidas por grupo de 26 investigadores clínicos, cientistas de áreas básicas e pós-graduandos sob orientação dos mesmos, em 8 instituições. A teoria etiopatogênica de o dano miocárdico ser decorrente de inflamação causada pela persistência parasitária será desafiada por tratamento tripanossomicida com benznidazol, oferecido a pacientes com a forma indeterminada e cardíaca não avançada. Com métodos ecocardiográficos clássicos e também de última geração, como os baseados em análises de deformidade miocárdica por rastreamento de pontos, será objetivada a padronização e validação dessas abordagens para avaliação do desempenho biventricular e outros parâmetros de anatomia e função cardíaca de pacientes na fase crônica da DC. Vários estudos focarão a hipótese fisiopatológica de que distúrbios de regulação em nível microcirculatório participam da instalação de dano isquêmico miocárdico na fase crônica da DC. Em especial o conceito da vigência de hibernação miocárdica por isquemia crônica em nível microvascular será testado. Abordagem direta da reserva de fluxo coronário e da resistência microvascular será implementada em pacientes com coronárias angiograficamente normais. Três modalidades de intervenção terapêutica serão empregadas com o objetivo de minimizar os distúrbios de perfusão miocárdica, promovendo vasodilatação microvascular e bloqueando a atividade plaquetária, em humanos, e em hamsters sírios infectados pelo T. cruzi. O recurso ao modelo experimental de infecção pelo T. cruzi, recentemente desenvolvido e validado, servirá para explorar mecanismos patogenéticos que ocorrem na transição da forma indeterminada para a de cardiopatia chagásica clinicamente manifesta, e cujo estudo em humanos é dificultado pelo extremamente longo período temporal envolvido. Além de prover padrão-ouro para validação das abordagens ecocardiográficas a ressonância magnética cardíaca servirá para explorar se o curso temporal de instalação de fibrose miocárdica é passível de controle por tratamento tripanossomicida em humanos infectados pelo T. cruzi. Essa alteração, diretamente envolvida no risco de morte arrítmica, será também focada em estudo sobre o desempenho do cardiodesfibrilador implantado em pacientes com DC, aspecto este bastante negligenciado no contexto desta terapêutica empiricamente empregada. Finalmente, será realizada a genotipagem de T. cruzi a partir de amostras de DNA extraído de sangue de 284 pacientes com CDC no Brasil, incluídos no estudo BENEFIT, antes do tratamento com benznidazol ou placebo. Os genótipos do parasito serão correlacionados com a carga parasitária e a intensidade das manifestações clínicas dos pacientes. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Pós-doutorado em Cardiologia com bolsa da FAPESP 
Pós-doutorado em Cardiologia com bolsa da FAPESP 
Pós-doutorado em imunologia com bolsa da FAPESP 
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.