Busca avançada
Ano de início
Entree

Uma visão compreensiva da neurobiologia do estresse: conceitos básicos e implicações clínicas

Processo: 18/11952-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de agosto de 2018 - 31 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Norberto Garcia Cairasco
Beneficiário:Norberto Garcia Cairasco
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Neurofisiologia 

Resumo

O estresse é reconhecido como uma questão importante na pesquisa em neurociências básicas e clínicas. A base das teorias de estresse advém dos estudos históricos fundadores de Walter Canon e Hans Selye no século passado, quando o conceito de estresse surgiu em uma perspectiva biológica e adaptativa. Muitas pesquisas após esse período expandiram o conhecimento no campo do estresse. Desde então, descobriu-se que a resposta a estímulos estressantes é elaborada e desencadeada pelo conhecido sistema de estresse, que integra uma ampla diversidade de estruturas cerebrais que, coletivamente, são capazes de detectar eventos e interpretá-los como ameaças reais ou potenciais. No entanto, diferentes tipos de estressores envolvem diferentes redes encefálicas, exigindo um processamento neuroanatômico funcional finamente regulado. Essa integração de informações do próprio estressor pode resultar na rápida ativação do eixo simpático-adreno-medular (SAM) e do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA), os dois principais componentes envolvidos na resposta ao estresse. A complexidade da resposta ao estresse não se restringe à neuroanatomia ou aos mediadores dos eixos SAM e HPA, mas também divergem de acordo com o momento e a duração da exposição ao estresse, bem como suas conseqüências a curto e/ou longo prazo. A identificação de circuitos neuronais de estresse, bem como sua interação com seus mediadoras ao longo do tempo, é crítica, não apenas para a compreensão das respostas fisiológicas do estresse, mas também para compreender suas implicações na saúde mental. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.