Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização molecular e perfil de sensibilidade aos antimicrobianos de Streptococcus agalactiae isolados de vacas leiteiras com mastite clínica

Processo: 18/12530-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de agosto de 2018 - 31 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Pesquisador responsável:Marcos Veiga dos Santos
Beneficiário:Marcos Veiga dos Santos
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Técnica de amplificação ao acaso de DNA polimórfico  Streptococcus agalactiae  Técnicas de genotipagem 

Resumo

Os objetivos deste estudo foram: (a) caracterizar genotipicamente os isolados de Streptococcus agalactiae identificados de casos de mastite clínica (MC) em vacas leiteiras; e (b) determinar a associação entre a suscetibilidade aos antimicrobianos (AMS) e subtipos de Strep. agalactiae agrupados de acordo com a similaridade genética. Um total de 89 isolados de Strep. agalactiae identificados de casos de MC bovina foram genotipados usando a técnica de polimorfismo de DNA amplificado ao acaso (RAPD). Além disso, a AMS dos isolados foi determinada usando um teste comercial de microdiluição em caldo composto por 10 antimicrobianos (penicilina, ampicilina, oxacilina, cefalotina, ceftiofur, penicilina+novobiocina, eritromicina, pirlimicina, tetraciclina e sulfadimetoxina). Análises descritivas foram realizadas para relatar a frequência dos subtipos bacterianos e dos agrupamentos genotípicos de acordo com os rebanhos, sistema de alojamento, estação do ano e gravidade de MC. As concentrações antimicrobianas mínimas que inibiram 50% (MIC50) e 90% (MIC90) dos isolados foram calculadas e análises de sobrevivência foram realizadas para verificar as diferenças de AMS entre os agrupamentos genotípicos. Os resultados de RAPD mostraram grande diversidade genotípica entre os isolados de Strep. agalactiae (45 subtipos) e três agrupamentos (Ia, Ib e II) foram criados com base na proximidade genética entre os subtipos. Após o agrupamento, alta similaridade genotípica foi observada dentro e entre os rebanhos. No geral, os isolados de Strep. agalactiae apresentaram alta suscetibilidade à maioria dos antimicrobianos testados, exceto à tetraciclina e eritromicina. Diferenças na susceptibilidade aos antimicrobianos entre os agrupamentos foram observadas para ampicilina, ceftiofur, eritromicina, pirlimicina, sulfadimetoxina e tetraciclina. Em conclusão, Strep. agalactiae ainda é altamente susceptível à maioria dos antimicrobianos, embora diferenças na suscetibilidade a determinados antimicrobianos foram observadas entre os agrupamentos genotípicos. (AU)