Busca avançada
Ano de início
Entree

Revelando a genética de famílias com osteoartrite

Processo: 18/08373-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2018 - 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Convênio/Acordo: Leiden University
Proposta de Mobilidade: SPRINT - Projetos de pesquisa - Mobilidade
Pesquisador responsável:Martha Cecilia Castano Betancourt
Beneficiário:Martha Cecilia Castano Betancourt
Pesq. responsável no exterior: Ingrid Meulenbelt
Instituição no exterior: Leiden University Medical Center (LUMC) , Holanda
Pesq. responsável no exterior: Rodrigo Coutinho De Almeida
Instituição no exterior: Leiden University Medical Center (LUMC) , Holanda
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ). Prefeitura Municipal de Jundiaí. Jundiaí , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/21039-0 - Estudo genético e epidemiológico da relação de osteoartrite do quadril e joelho, AP.JP
Assunto(s):Doenças reumáticas  Osteoartrite  Predisposição genética para doença  Análise de sequência de DNA  Exoma  Mutação  Cooperação internacional 

Resumo

A osteoartrite (OA) é a doença articular mais comum e debilitante em todo o mundo e causa frequente de incapacidade em idosos. No Brasil, a OA também é considerada a doença reumática mais prevalente, sendo a substituição articular o único tratamento efetivo oferecido a vários pacientes afetados. O componente genético da OA no quadril e joelho foram estimados em cerca de 40-60% usando estudos de gêmeos e considera-se que pelo menos 30% do risco de OA é geneticamente determinado. Até à data, apenas cerca de 10% do componente genético foi explicado. O sequenciamento de exoma de próxima geração (NGE) tem obtido grande sucesso na identificação de prováveis mutações causais em pacientes com fenótipos familiares mais graves ou distúrbios mendelianos. Devido ao seu forte efeito, essas mutações podem fornecer pistas diretas para as relações genótipo-fenótipo. Ambas partes da proposta, o "Laboratorio de Epidemiologia Molecular, Departamento de Ciências Biomédicas" de Leiden e o "Laboratório de Epidemiologia Genética" da FMJ-Brasil, concentram uma parte significativa de seus esforços de pesquisa em encontrar essas mutações em genes de famílias afetadas com OA. No momento, o parceiro de Leiden realizou um conjunto de dados de seqüenciamento de exoma (cobertura de 50x; Instituto de Tecnologia de Pequim) em uma coorte (GARP) de 43 pacientes e 7 famílias com início precoce da doença. O estudo GARP envolve pares de irmãos com OA sintomática em múltiplos locais articulares, representando, portanto, pacientes com um fenótipo severo de OA familiar. Por outro lado, FMJ-São Paulo conta com DNA extraído de 60 indivíduos afetados com OA, com história familiar de OA e 30 familiares (afetados ou não afetados pela OA, correspondendo aproximadamente a um total de 6-8 famílias que irão ser sequenciada. Além disso, Leiden tem disponíveis amostras de cartilagem preservadas (preservado e afetado) de 500 doadores com OA submetidos à cirurgia de substituição articular primária, no estudo RAAK. Estas amostras de cartilagem permitirão realizar estudos funcionais, que ajudarão a determinar a expressão dos genes identificados neste tecido, entre outros. O objetivo desta proposta é estabelecer uma colaboração mútua nesta linha de pesquisa para poder detectar e replicar os genes descobertos em famílias de ambos estudos (Leiden e São Paulo) através do uso da abordagem Exome-sequenciamento e estudos funcionais para verificar a expressão e função destes genes na cartilagem. (AU)