Busca avançada
Ano de início
Entree

Estrutura e função do repressor da RNA polimerase III Maf1 envolvido no controle do crescimento celular e resposta a patógenos em plantas

Processo: 18/08535-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2018 - 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Celso Eduardo Benedetti
Beneficiário:Celso Eduardo Benedetti
Instituição-sede: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Xanthomonas citri  RNA polimerase III  Interação planta-patógeno 

Resumo

Xanthomonas citri, agente causal do cancro cítrico, utiliza o sistema secretório tipo III para injetar proteínas efetoras tipo "TAL" (transcription activator-like effector) para o interior da célula vegetal. Tais proteínas, denominadas PthAs, funcionam como fatores de transcrição ativando genes que contribuem para desenvolvimento da doença. Além de ativar genes alvos na planta, o efetor PthA4, necessário para induzir crescimento e divisão celular em citros, interage com a proteína CsMaf1, um repressor da RNA Polimerase (Pol) III. Uma vez que CsMaf1 é um regulador negativo do crescimento celular e inibe o desenvolvimento do cancro cítrico, levantamos a hipótese de que PthA4 bloqueia a atividade repressora de CsMaf1 sobre a Pol III, promovendo crescimento celular. Assim, um dos objetivos dessa proposta é estabelecer o modo de ligação de PthA4 à proteína CsMAF1, mapeando-se os domínios proteicos envolvidos na interação. Ainda, em trabalhos anteriores, mostramos que CsMaf1 é fosforilada pelas quinases PKA e TOR e possui um sítio de sumoilação conservado na família Maf1. Temos evidências de que a fosforilação pela TOR regularia a ligação de CsMaf1 à Pol III, ao passo que a fosforilação por PKA regularia sua localização no nucléolo. Dessa forma, pretendemos identificar quais subunidades da Pol III de citros interage com CsMaf1, e estabelecer se as modificações pós-traducionais como fosforilação e sumoilação regulam a interação de CsMaf1 com as subunidades da Pol III ou PthA4. Serão realizadas tentativas de cristalização dos complexos CsMaf1-PthA4 e CsMaf1-subunidade da Pol III para resolução da estrutura cristalográfica. Acreditamos que o trabalho contribuirá para o entendimento de como proteínas Maf1 regulam a atividade da Pol III, como também como os efetores TAL de X. citri interferem nessa regulação levando ao crescimento e proliferação celular em citros. (AU)