Busca avançada
Ano de início
Entree

O efeito das enterotoxinas estafilocócicas do tipo a (SEA) e b (SEB) na disfunção de neutrófilos durante a sepse por staphylococcus aureus

Processo: 17/25867-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2018 - 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Ivani Aparecida de Souza
Beneficiário:Ivani Aparecida de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ). Prefeitura Municipal de Jundiaí. Jundiaí , SP, Brasil
Pesq. associados:Edson Antunes
Assunto(s):Toxicologia  Staphylococcus aureus  Sepse  Neutrófilos 

Resumo

A sepse é uma doença inflamatória sistêmica que atinge cerca de 17 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, com um índice de mortalidade acima de 50%. É a principal causa de admissão e morte de pacientes nas unidades de terapia intensiva e no Brasil possuí elevado índice de letalidade em hospitais públicos do Sistema Único de Saúde. A sepse por bactérias gram-positivas apresenta maior índice de mortalidade do que a sepse por bactérias gram-negativas. Entretanto, modelos experimentais que mimetizam adequadamente os sinais da sepse por bactérias gram-positivas são escassos. O Staphylococcus aureus é a principal bactéria gram-positiva associada à sepse adquirida em ambientes hospitalares. Uma inadequada mobilização de neutrófilos em quadros de sepse grave por Staphylococcus aureus é a principal causa de morte em pacientes infectados por esta bactéria. Os efeitos patológicos do Staphylococcus aureus se devem à produção e a secreção das enterotoxinas estafilocócicas (SEs). Recentemente, demonstramos que eosinófilos humanos incubados com SEs apresentam redução nas propriedades funcionais de quimiotaxia e adesão em resposta à eotaxina via ativação do MHC classe II. Resposta semelhante foi observada em granulócitos da medula óssea de camundongos. Com isso, o presente estudo visa identificar os efeitos das SEs sobre as propriedades funcionais de adesão e quimiotaxia em neutrófilos humanos, bem como elucidar a participação do MHC classe II e das vias de sinalização envolvidas nestes eventos. Investigaremos ainda o efeito das SEs sobre a expressão das moléculas MAC-1 e LFA-1± na superfície destas células. Estudos clínicos tem revelado que a expressão do receptor CXCR2 para a CXCL-8, está reduzida em neutrófilos de pacientes com sepse. Assim, pretendemos investigar ainda o papel das SEs sobre a expressão de CXCR2 em neutrófilos humanos. Em eosinófilos do sangue humano investigaremos o papel do IFN-³ sobre a adesão e quimiotaxia destas células. O esclarecimento de como as SEs influenciam as funções dos neutrófilos e/ou eosinófilos, bem como as vias de sinalização envolvidas, poderá auxiliar significativamente no desenvolvimento de novas e promissoras estratégias de tratamento para a sepse por Staphylococcus aureus. (AU)