Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização da resposta microglial após anóxia neonatal em ratos: da análise celular e molecular ao comportamento e abordagem terapêutica

Processo: 18/14072-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2018 - 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Silvia Honda Takada
Beneficiário:Silvia Honda Takada
Instituição-sede: Centro de Matemática, Computação e Cognição (CMCC). Universidade Federal do ABC (UFABC). Ministério da Educação (Brasil). Santo André , SP, Brasil
Pesq. associados:Alexandre Hiroaki Kihara ; Ilka Tiemy Kato Prates ; Nasser Ali Daghastanli
Assunto(s):Neurobiologia  Neuroinflamação 

Resumo

A anóxia neonatal é um problema de saúde pública mundial que pode acarretar sequelas permanentes, sendo considerada um dos principais fatores de risco para a ocorrência de diversas doenças do neurodesenvolvimento, como paralisia cerebral, déficits intelectuais, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade e transtorno do espectro autista, dentre outros. Os mecanismos patofisiológicos desencadeados pela privação de oxigênio no encéfalo em desenvolvimento ainda não são bem estabelecidos. Em vista disso, há necessidade de maiores investigações a respeito dos mecanismos de lesão desencadeados pela anóxia neonatal, inclusive alterações gliais e inflamatórias, permitindo ampliação das estratégias terapêuticas propostas que minimizem as sequelas em longo prazo. O objetivo do presente estudo é, portanto, verificar se o modelo de anóxia neonatal em ratos utilizado acarreta alterações na resposta microglial e na produção de citocinas e quimiocinas características de processo inflamatório, investigar a influência do TLR4 na ativação da microglia e explorar os efeitos da utilização de fotobiomodulação, cuja ação anti-inflamatória é comprovada, porém seus mecanismos ainda carecem de maior investigação, na morte celular e na neuroinflamação decorrente da anóxia neonatal, possivelmente mediada pelo TLR4. Este estudo certamente contribuirá de forma efetiva para a melhor compreensão dos mecanismos de neurodegeneração presentes após a privação de oxigênio no encéfalo imaturo e para a proposição de novas possibilidades terapêuticas que minimizem os danos e sequelas em curtos e longos prazos. (AU)