Busca avançada
Ano de início
Entree

O silenciamento de GLI3 diminui características de células tronco, proliferação e invasão celular do carcinoma epidermóide

Processo: 18/14648-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de outubro de 2018 - 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Fabio Daumas Nunes
Beneficiário:Fabio Daumas Nunes
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Patologia bucal  Células-tronco neoplásicas 

Resumo

O carcinoma epidermoide de boca (CEB) é uma doença extremamente agressiva com prognóstico ruim. Estudos anteriores estabeleceram que as células-tronco tumorais (CTTs) participam ativamente do desenvolvimento, progressão e resistência do CEB aos tratamentos convencionais. Além disso, as CTTs freqüentemente apresentam expressão desregulada de vias de sinalização de células-tronco normais, adquirindo habilidades distintas, entre elas a auto-renovação. Neste estudo, examinamos os efeitos do silenciamento de GLI3 no CEB, bem como genes diferencialmente expressos em células CD44high (células neoplásicas semelhantes a células-tronco, CSCLC) e CD44low. O valor prognóstico do GLI3 nos casos de CEB também foi avaliado. Linhagens de células de CEB foram isoladas com base na expressão de CD44; a expressão gênica foi avaliada por PCR Array. A seguir, examinamos os efeitos do silenciamento de GLI3 na expressão de CD44 e ESA, capacidade de formação de esfera e formação de colônia, expressão gênica relacionada à células tronco, proliferação e invasão. Superexpressão de genes relacionados às vias de pluripotência e de manutenção Notch, TGF², FGF, Hedgehog, Wnt foram observadas em células CD44high. O silenciamento de GLI3 foi associado com uma diminuição significativa em diferentes frações de CTTs, esferas e colônias de CSCLC, além da diminuição da expressão dos genes CD44, POU5F1 (OCT4) e BMI1. Essa regulação negativa foi relacionada com o aumento na expressão dos genes IVL e S100A9. A proliferação e invasão celular foram inibidas após o silenciamento de GLI3. Em amostras tumorais de CEB, a alta expressão de GLI3 foi associada ao tamanho do tumor, mas não ao prognóstico. Este estudo demonstrou pela primeira vez na literatura que o GLI3 contribui para o comportamento maligno do CEB. Esse achado sugere que o GLI3 tem uso potencial para novas terapias, seja de forma isolada ou em combinação com outras drogas, apresentando efeito nas CTTs do CEB. (AU)