Busca avançada
Ano de início
Entree

Ecologia funcional de gramas marinhas e bancos de macroalgas: subsídios tróficos para consumidores demersais

Processo: 18/11044-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2018 - 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Biológica
Pesquisador responsável:Augusto Alberto Valero Flores
Beneficiário:Augusto Alberto Valero Flores
Instituição-sede: Centro de Biologia Marinha (CEBIMAR). Universidade de São Paulo (USP). São Sebastião , SP, Brasil
Pesq. associados:Cesar Augusto Marcelino Mendes Cordeiro ; Daniel Gorman ; Rafael Campos Duarte
Assunto(s):Ecologia funcional  Gramas marinhas  Macroalgas  Sargassum 

Resumo

Habitats vegetados de águas rasas provêm complexidade estrutural e recursos tróficos para comunidades muito diversas de invertebrados vágeis. Essa fauna associada pode, por sua vez, sustentar consumidores de níveis tróficos superiores, principalmente recrutas de peixes que usam os povoamentos de gramas marinhas e os dosséis de macroalgas recifais (habitats vegetados complexos, HVCs) como berçários. Apesar do potencial impacto em vários serviços ecossistêmicos, como a pesca, a dinâmica desse elo trófico entre o ambiente bentônico e o pelágico é ainda muito pouco conhecida. Esta proposta visa (i) entender como as comunidades de invertebrados mudam de habitats não estruturados para HVCs (processos espaciais), (ii) aferir como essas comunidades se organizam em HVCs marcadamente sazonais (processos temporais), (iii) comparar a pressão de predação em habitats bênticos não estruturados, povoamentos de gramas marinhas e dósseis de macroalgas, e (iv) avaliar a importância de processos descendentes e ascendentes no controle da dinâmica de invertebrados móveis mediante a exclusão experimental de consumidores. Os resultados deste projeto servirão para avaliar de maneira mais realista a importância de HCVs como um elo de transferência entre ambientes bênticos e pelágicos através da atividade alimentar de consumidores demersais, e poderão orientar medidas de conservação ambiental em prol da resiliência de habitats bênticos costeiros ou a proteção de atividades pesqueiras. (AU)