Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do uso da farinha da banana verde sobre a microbiota intestinal e toxinas urêmicas em pacientes em diálise peritoneal

Processo: 18/12122-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2018 - 31 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Dietética
Pesquisador responsável:Lilian Cuppari
Beneficiário:Lilian Cuppari
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Christian Hoffmann ; Lia Sumie Nakao
Assunto(s):Nefrologia  Microbiota  Amido resistente  Diálise peritoneal  Prebióticos 

Resumo

A doença renal crônica (DRC) parece causar alterações na composição e atividade metabólica da microbiota intestinal e danos à barreira intestinal. Uma vez que diversas toxinas urêmicas são originárias da fermentação colônica propõe-se que essas alterações na microbiota podem amplificar o acúmulo de determinadas toxinas, tais como o p-cresil sulfato e o indoxil sulfato. O acúmulo dessas duas toxinas urêmicas tem sido associado à inflamação, doença cardiovascular e mortalidade por todas as causas em indivíduos com DRC. Nesse contexto, a microbiota intestinal surge como um possível alvo terapêutico no tratamento de indivíduos com DRC. Uma das possíveis estratégias para modular a atividade e composição da microbiota intestinal é a suplementação com fibra alimentar facilmente fermentável, também chamada de prebiótico. Até o momento, há poucos estudos que avaliaram o impacto de prebióticos sobre os níveis séricos do p-cresil sulfato e indoxil sulfato em indivíduos com DRC e os resultados são heterogêneos. Em um estudo clínico com indivíduos em hemodiálise, observou-se que a suplementação com fibra alimentar, a partir de amido resistente, promoveu uma redução significativa na concentração sérica de indoxil sulfato livre e uma tendência de redução no p-cresil sulfato livre. Este foi o único estudo clínico que até o momento suplementou pacientes em diálise com amido resistente e avaliou o efeito do mesmo sobre a concentração sérica dessas duas toxinas uremicas. Entre os produtos com quantidade significativa de amido resistente, destaca-se a farinha da banana verde (FBV) que apresenta cerca de 50% desse carboidrato. Objetivos: Avaliar o impacto do uso da FBV sobre os níveis séricos de p-cresil sulfato e indoxil sulfato, marcadores inflamatórios, permeabilidade intestinal, sensibilidade à insulina, hábito intestinal e sobre a composição da microbiota intestinal de indivíduos com doença renal crônica em programa de diálise peritoneal. Além disso, faz parte dos objetivos do presente estudo comparar o perfil da microbiota intestinal de indivíduos com DRC em diálise peritoneal com o de indivíduos saudáveis que vivem no mesmo ambiente que os pacientes. Metodologia: Trata-se de um ensaio clínico cruzado, controlado por placebo, duplo-cego, randomizado com duração de 4 semanas e com washout de 4 semanas. Serão incluídos no estudo 50 pacientes que estão em diálise peritoneal. As doses de FBV e amido de milho ceroso (placebo) serão de 20g/dia. As concentrações de p-cresil sulfato e indoxil sulfato serão determinadas por cromatografia liquida de alta performance (HPLC). Os marcadores de endotoxemia (LPS) e inflamação (IL-6, TNF-±, IL-10 e PCR) serão determinados no soro por ELISA. A sensibilidade à insulina será avaliada a partir dos níveis plasmáticos de glicose e insulina por meio do modelo Homeostatic Model Assessment (HOMA). Os sintomas gastrintestinais e o hábito intestinal serão avaliados por meio da Escala de Avaliação de Sintomas Gastrintestinais, da Escala de Bristol e do Critério de Roma III. O perfil microbiano das fezes será avaliado por meio de técnica independente de cultivo, de alto rendimento, em plataforma Illumina MiSeq. (AU)