Busca avançada
Ano de início
Entree

Nova geração de ponto eletrônico móvel para trabalhadores de campo

Processo: 18/00650-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de março de 2019 - 30 de novembro de 2019
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Elétrica - Eletrônica Industrial, Sistemas e Controles Eletrônicos
Pesquisador responsável:Francisco José Benevenuto
Beneficiário:Francisco José Benevenuto
Empresa:SCI - Inovações Tecnológicas Ltda. - ME
CNAE: Outras atividades de telecomunicações
Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador não-customizáveis
Município: Pirassununga
Assunto(s):Recursos humanos  Segurança da informação  Internet das coisas  Trabalhador rural  Horário de trabalho 

Resumo

Tendo em vista os aspectos trabalhistas nacionais, regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e por portarias específicas do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), prevê-se que, para uma justa jornada de trabalho, o empregado brasileiro deverá dispor de até 44 horas semanais de trabalho, sendo o excedente disso transposto como "hora-extra". Para empresas que possuem dez ou mais funcionários é obrigatório o devido apontamento desta jornada e das horas-extras realizadas e, para este registro, devem ser anotadas para cada um dos funcionários os horários de entrada e saída do trabalho. Estes registros podem ser feitos por meio de anotações a punho próprio em livros de ponto de propriedade da empresa, pelo uso de relógios mecânicos de ponto que registram os horários em cartões de papel e até o uso de relógios eletrônicos de ponto que realizam todo o registo de maneira digital, arquivando-os em memória inviolável. Apesar das características únicas que cada tipo de relógio de ponto possui, é evidente que o registro eletrônico tem muito a agregar para as empresas, uma vez que estes dados podem ser facilmente integrados com outros sistemas, automatizando assim processos de verificação legal desta jornada. Os principais benefícios desta automatização são: redução do risco de fraudes e rasuras nos registros, controle assíduo da jornada dos trabalhadores, redução nos custos com horas-extras e organização das informações para ocorrência de banco de horas. Acontece que muitas empresas, em especial empresas de atividades agropecuárias, não dispõem de infraestruturas para o uso de Relógios Eletrônicos de Ponto (REP) para todos os colaboradores, uma vez que alguns destes podem exercer suas atividades em locais desprovidos de alimentação energética e rede de dados, essenciais para o funcionamento deste tipo de equipamento. Compreendendo as características deste segmento e as tecnologias de ponta disponíveis no mercado, objetiva-se por meio deste projeto estudar e desenvolver um dispositivo de REP móvel que seja capaz de atender às necessidades de diversas propriedades rurais bem como de outros profissionais que têm sua atuação em campo e, por este motivo, não tenham condição de realizar o registro de sua jornada por pontos eletrônicos e/ou fixos. Em complemento ao dispositivo, será desenvolvido também uma plataforma online que realizará a sincronização dos registros e dados gerados. Por meio da captura automatizada destes dados, será possível gerar relatórios individuais e consolidados, além do cadastro remoto de colaboradores em todos os REPs compatíveis com esta tecnologia. Para o desenvolvimento e gestão deste projeto será utilizado a metodologia Agile, que tem como principais características a fragmentação do projeto em diversas entregas e o desenvolvimento paralelo de todos os estágios para cada uma destas, diferente de metodologias de desenvolvimento em cascata (waterfall) que prevê o desenvolvimento completo da solução em estágios assíncronos. Como principais resultados, esta metodologia de desenvolvimento evita (ou elimina) refações, permite que se descubra erros e falhas o mais breve possível e é amigável a ajustes no escopo ao longo do projeto, alinhando ainda mais a solução ao mercado que se destina. (AU)