Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de marcadores de risco cardiovascular após consumo moderado de diferentes bebidas alcoólicas

Processo: 18/09675-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2018 - 30 de novembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Eduardo Gomes Lima
Beneficiário:Eduardo Gomes Lima
Instituição-sede: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Carlos Vicente Serrano Junior ; Pedro Henrique de Moraes Cellia
Assunto(s):Vinho  Álcool  Cachaça  Inflamação  Aterosclerose  Cardiologia  Fatores de risco para doença cardiovascular 

Resumo

As doenças cardiovasculares continuam sendo a principal causa de morte no mundo, dentro delas se destaca a doença aterosclerótica coronariana. Em uma óptica fisiopatológica as bebidas alcoólicas em doses baixas a moderadas são capazes de atuar na placa aterosclerótica reduzindo a inflamação, a agregação plaquetária e otimizando o perfil lipídico.Nesse contexto é bem estabelecida e existência de um "paradoxo francês", onde se observa que o consumo moderado de vinho está correlacionado a uma menor taxa de eventos cardiovasculares e maior sobrevida. Diversos estudos evidenciaram que esse padrão de proteção cardiovascular pode ser atribuído também ao consumo moderado de outras bebidas que não somente vinho. Entretanto, a correlação do uso de destilado de cana brasileiro (cachaça) com redução do risco cardiovascular ainda não foi estudada em humanos.Este estudo se propõe a analisar o comportamento de marcadores moleculares séricos bem estabelecidos com risco aterosclerótico/ cardiovascular após ingestão de uma dose moderada de vinho e cachaça separadamente.Nesse propósito, indivíduos saudáveis serão randomizados inicialmente para dois grupos: uso diário moderado de cachaça e uso moderado diário de vinho tinto por uma semana (o equivalente a 30g de álcool para homens e 15g para mulheres). Posteriormente, após um período abstêmio, os grupos irão trocar a intervenção entre si. Será feita análise de marcadores de risco cardiovascular antes e após cada intervenção para comparação entre elas.A análise estatística da variação desses marcadores fornecerá informações do efeito anti-aterogênico do vinho e da cachaça em humanos. (AU)