Busca avançada
Ano de início
Entree

Dados integrados geoquímicos e morfológicos sobre a gênese de nódulos de ferromanganês

Processo: 18/24001-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de dezembro de 2018 - 31 de maio de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Geológica
Pesquisador responsável:Luigi Jovane
Beneficiário:Luigi Jovane
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/50820-7 - Marine ferromanganese deposits: a major resource of E-tech elements, AP.TEM

Resumo

Nódulos de ferro e manganês se formam por precipitação de metais da água do mar e/ou da água intersticial do sedimento. A formação de diferentes tiposgenéticos de nódulos depende da composição e condição redox da água do mar e do sedimento de topo, profundidade da coluna de água e produtividadeprimária das águas superficiais. Muitas características dos nódulos tem sido usadas na investigação de sua gênese. Neste trabalho, comparamos nódulos de ferro de manganês de diferentes ambientes usando a tomografia de Raios-X, Microscopia Eletrônica de Varredura com Espectroscopia de Energia Dispersiva e Micro Fluorescência de Raios-X, a fim de investigar como informações geoquímicas estão relacionadas a diferentes feições morfológicas. Para isso, utilizamos amostras representativas de nódulos de ferro e manganês puramente hidrogenéticos e de tipo misturado com diferentes proporções de crescimento hidrogenético e diagenético. Nossos resultados mostram uma alternância micrométrica entre: (1) camadasmassiças, ricas em Mn, alta absorbância e com razão Mn/Fe até 40; e (2) camadas dendríticas, pobres em Mn, de baixa absorbância e com razão Mn/Fe próxima a 1. Esta alternância está presenta apenas nos nódulos do tipo misturado, o que sugere uma alternância rítmica entre condições óxicas (formação hidrogenética) e subóxicas (formação diagenética) no ambiente deformação dos nódulos. Esta alternânica, porém, é ausente nos nódulos hidrogenéticos, os quais são homogêneos tanto geoquimicamente quantomorfologicamente. Um modelo conceitual é proposto para explicar estas diferenças geoquímicas e morfológicas em termos da migração vertical da Frente Óxica-Subóxica relativa à base de formação dos nódulos. (AU)