Busca avançada
Ano de início
Entree

Significativa resposta aguda do fator neutrófico derivado do cérebro (BDNF) seguindo uma sessão de programa de condicionamento e extremo é correlacionada com o volume de treinamento de um exercício específico em homens treinados

Processo: 18/13456-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de outubro de 2018 - 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Eliane Florencio Gama
Beneficiário:Eliane Florencio Gama
Instituição-sede: Centro de Pesquisa. Universidade São Judas Tadeu (USJT). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Treinamento 

Resumo

Diversos estudos demonstram um aumento agudo e crônico do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) em relação aos diferentes tipos de exercício físico. Atualmente, muitos indivíduos buscam estratégias de treinamento físico que apresentam diferentes tipos de estimulo e volume/intensidade. Assim, a metodologia de condicionamento extremo ganhou grande notoriedade no meio científico e não científico. Sabendo que os valores de BDNF aumentam de maneira esforço-dependente, é necessário estudar os efeitos dessa estratégia nos níveis de BDNF. Este estudo teve como objetivo avaliar a resposta aguda do BDNF em homens treinados submetidos a uma sessão de condicionamento extremo (ECP). Dez voluntários foram submetidos a uma sessão aguda de ECP usando o método "tantas repetições quanto possível" (WOD-AMRAP), incluindo 3 tipos de exercício (clean, wall ball e double ou single-unders) por 9 minutos. O BDNF foi medido no plasma, sendo coletado no início e imediatamente após a sessão. A carga total do exercício clean foi 5 vezes maior que a do exercício wall ball (p <0,05; 2096,1 ± 387,4 kg vs 415,8 ± 81,03 kg), o que influenciou pouco na carga total (p <0,05, 2511,9 ± 358,52 kg) utilizada. Para o volume total, os praticantes fizeram uma média de 1,7 vezes mais repetições no exercício wall ball em comparação com o clean (46,2 ± 9 vs 29,5 ± 3,8 repetições). Os voluntários tiveram em média de 75,7 ± 12,6 repetições no double-unders, elevando o volume total de treinamento para 151,4 ± 23,7 repetições. Em relação aos valores de BDNF, houve diferença significativa (p = 0,05) entre os momentos pré e pós (11209,85 ± 1270,4 vs 12132,96 ± 1441,93 pg / ml). O effect-size para esta alteração foi moderada (ES = 0,79). Encontramos uma correlação positiva entre o volume total do exercício clean e os valores do delta BDNF (p = 0,049). Em conclusão, uma única sessão de condicionamento extremo, através da prática do método WOD-AMRAP, é capaz de aumentar as concentrações agudas de BDNF no plasma. Em termos práticos, podemos sugerir que estudos futuros avaliem o efeito da ECP como estratégia no tratamento de distúrbios associados a alterações degenerativas centrais. (AU)