Busca avançada
Ano de início
Entree
Conteúdo relacionado

Corais de profundidade do Atlântico Sul: novas percepções a partir de um estudo interdisciplinar

Processo: 17/50229-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2018 - 30 de novembro de 2020
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Convênio/Acordo: NERC, UKRI
Pesquisador responsável:Marcelo Visentini Kitahara
Beneficiário:Marcelo Visentini Kitahara
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Assunto(s):Recifes de corais  Scleractinia  Biomineralização  Atlântico Sul  Registros de dados climáticos 
Publicação FAPESP:https://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/fapesp_uk_aDfV3eR_138_138.pdf

Resumo

Ao contrário da maioria dos representantes de águas rasas, corais azooxantelados não vivem em simbiose com dinoflagelados fotossintetizantes e seus registros são abundantes no Atlântico Sul. Estes registros englobam mais de 60 espécies que crescem sob a influência de massas d'água que são originadas próximas aos polos. Estas massas d'água podem ser identificadas por possuir diferentes concentrações de nutrientes, pH e temperatura. Com sua diversidade de habitats e características únicas das massas d'água, o Atlântico Sul é um local singular para explorar quais são os controles em larga escala que afetam as distribuições de corais de mar profundo, além de possibilitar o uso destes como arquivos climáticos. Esta proposta, de essência interdisciplinar, representa uma oportunidade única para combinar os esforços dos pesquisadores de corais de profundidade do Reino Unido e Brasil. Kitahara (BR) é financiado pela FAPESP para aprimorar o conhecimento acerca da evolução dos corais escleractineos e sua relação com mudanças climáticas. Ao mesmo tempo, a professora Robinson (Reino Unido) é financiada pela NERC para aplicar técnicas geoquímicas aos corais de profundidade visando reconstruir paleoclimas e sua relação com a biogeografia dos corais do mar profundo. A Dra. Taylor (Reino Unido) junta-se ao projeto como especialista em ecos sistemas de profundidade e conectividade genética em todo o Atlântico. Esta proposta pump-priming é uma oportunidade ideal para esses cientistas iniciarem uma parceria de longo prazo para construir uma visão coerente dos controles de longo prazo sobre os corais de profundidade. Com acesso a amostras provenientes do Atlântico Sul (BR) e ao Norte e ao Sul (Reino Unido), estamos propondo estabelecer uma nova colaboração para compartilhar ideias, amostras e técnicas. Dentro do programa de dois anos, vamos organizar visitas de intercâmbio de conhecimentos, estabelecer um banco de dados de espécimes compartilhados, compartilhar amostras e acessar laboratórios e instalações. Também planejamos colaborar na redação de um manuscrito e procuraremos obter apoio adicional para continuar esses esforços além do alcance desta proposta inicial. (AU)