Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da Dupla-Tarefa em crianças com distúrbios motores - uma revisão sistemática

Processo: 18/25205-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de fevereiro de 2019 - 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Nelci Adriana Cicuto Ferreira Rocha
Beneficiário:Nelci Adriana Cicuto Ferreira Rocha
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Crianças  Medicina física e reabilitação 

Resumo

Introdução: Partindo do pressuposto de que as ações motoras resultam da interação entre os mecanismos cognitivo, perceptivo, mecânico e neurológico, espera-se que as disfunções neuromotoras comprometam os processos de coordenação central necessários para a realização de dupla-tarefa. Objetivo: Revisar sistematicamente a literatura sobre os efeitos da dupla-tarefa nas atividades realizadas por crianças com disfunções neuromotoras. Aquisição de evidências: Uma estratégia de busca sistemática em bases de dados relevantes foi realizada por dois revisores independentes em agosto de 2018 buscando artigos online publicados em inglês que tivessem avaliado os efeitos de dupla-tarefa (motora-motora, cognitivo-cognitivo ou cognitivo-motora) durante a execução de atividades em indivíduos com disfunções neuromotoras menores de 18 anos. Foram extraídos sistematicamente os seguintes dados: categoria do paradigma de dupla-tarefa avaliado (motor-motor; cognitivo-cognitivo; cognitivo-motor), tarefas primárias e secundárias, métodos de estudo, qualidade metodológica dos estudos e lacunas de pesquisa na literatura. Síntese de evidências: Foram identificados 13 relatórios completos que preenchiam os critérios de inclusão e exclusão predefinidos. Conclusão: Existem alguns estudos de alta qualidade que abordam os efeitos de dupla-tarefa em atividades realizadas por crianças com disfunções neuromotoras. Essas crianças apresentam maior suscetibilidade a custos com dupla-tarefa do que as típicas. Há uma falta de estudos nesta área avaliando crianças com PC e síndrome de Down, disfunções altamente prevalentes e comumente vistas em ambientes clínicos. Assim, os efeitos de dupla-tarefa em crianças com disfunções neuromotoras permanecem um amplo campo de pesquisa, com necessidade de mais estudos para preencher as lacunas existentes. (AU)