Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de biossensor de glicose como ferramenta analítica visando a otimização da produção de etanol de segunda geração a partir de resíduos do abacaxizeiro

Processo: 17/24274-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOEN - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2019 - 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química
Pesquisador responsável:Ivana Cesarino
Beneficiário:Ivana Cesarino
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Alcides Lopes Leao
Assunto(s):Técnicas biossensoriais  Glucose  Abacaxi  Bioetanol  Aproveitamento de subprodutos  Resíduos agrícolas 

Resumo

O etanol é um combustível derivado de fontes renováveis de energia, entretanto, os principais processos de produção utilizam biomassas que também são utilizadas como alimento. Por esse motivo, é necessário novas tecnologias que usem fontes alternativas como matéria-prima, como a produção de etanol de segunda geração que utiliza biomassa lignocelulósica em seu processo. Essa biomassa pode ser em forma de bagaço, palha, ponteira de plantas, cascas, ou seja, produtos que são resíduos de uma produção agrícola ou plantas que de alguma forma causam problemas para a produção, como o aguapé que em pouco tempo pode cobrir o leito de um rio, causando eutrofização do mesmo. Um exemplo de resíduos agrícolas é a planta que sobra depois da colheita do abacaxi, o abacaxizeiro. Como é uma biomassa vegetal contém em sua estrutura celulose que pode ser degradada em glicose e essa utilizada como substrato para a produção de etanol. Entretanto, durante a hidrólise enzimática da celulose, a glicose se torna um fator limitante, pois o seu acúmulo no biorreator causa inibição na enzima celulase, e isso implica em uma menor produção dessa hexose, resultando em um menor rendimento na produção de etanol. Por isso, propõe-se o desenvolvimento de sensores aliados à grande potencialidade eletroquímica do grafeno e à especificidade da enzima de glicose para o monitoramento e quantificação de açúcar no processo de produção de etanol 2G. (AU)