Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do Pilates vs. treinamento aeróbio na aptidão cardiorrespiratória, força muscular isocinética, composição corporal e habilidades funcionais de indivíduos com sobrepeso/obesidade: um ensaio clínico

Processo: 18/23025-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de março de 2019 - 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia do Esforço
Pesquisador responsável:Marilia dos Santos Andrade
Beneficiário:Marilia dos Santos Andrade
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Pilates  Obesidade  Treinamento aeróbio 

Resumo

Contexto: Alguns estudos foram realizados para verificar os efeitos do treinamento de Pilates para indivíduos obesos, mas resultados conclusivos ainda não estão disponíveis devido a preocupações metodológicas. O presente estudo tem como objetivo verificar e comparar os efeitos do Pilates e do treinamento aeróbio na aptidão cardiorrespiratória, na força muscular isocinética, na composição corporal e nos resultados de testes funcionais de indivíduos com sobrepeso / obesidade.Métodos: Dos 60 participantes, 17 foram alocados no grupo controle, já que o protocolo de intervenção (Pilates ou caminhada) foi durante o horário de trabalho. Os outros 44 participantes foram alocados aleatoriamente em um dos dois grupos experimentais (Pilates (n = 22) ou aeróbico (n = 21). Os grupos Pilates e aeróbico participaram de sessões de exercício de 60 min, três vezes por semana, durante 8 semanas. O grupo aeróbico realizou treinamento de caminhada com frequência cardíaca correspondente ao limiar ventilatório, o grupo Pilates realizou exercícios no solo, aparelho de resistência e halteres de 1 kg e o grupo controle não sofreu nenhuma intervenção. Todos os voluntários foram avaliados no início e no final do exercício. Foram realizadas as seguintes avaliações: ingestão alimentar, teste cardiorrespiratório máximo em esteira, teste de força isocinética, composição corporal e antropometria, teste de resistência abdominal, teste de resistência da musculatura extensora de tronco, teste de flexibilidade e testes funcionai (escada e cadeira). Nenhuma diferença significativa pré e pós-intervenção na ingestão de calorias [F (2, 57) = 0,02744, p = 0,97]]. Uma melhora significativa do consumo de oxigênio no limiar ventilatório (p = 0,001; d = 0,60), ponto de compensação respiratória (p = 0,01; d = 0,48) e esforço máximo (p = 0,01; d = 0,33) foi observada apenas no Pilates grupo. O pico de torque isocinético dos músculos flexores e extensores do joelho não se alterou em nenhum grupo. Massa magra (p = 0,0005; d = 0,19) e massa gorda (p = 0,0001; d = 0,19) melhoraram apenas no grupo Pilates. As medidas da circunferência da cintura e do quadril diminuíram de forma semelhante nos dois grupos experimentais. O desempenho do teste abdominal melhorou mais no grupo Pilates (p = 0,0001; d = 1,69) do que no grupo aeróbico (p = 0,003; d = 0,95). A resistência e a flexibilidade dos extensores de tronco melhoraram apenas no grupo Pilates (p = 0,0003; d = 0,80 ep = 0,0001; d = 0,41, respectivamente). O grupo Pilates apresentou maior melhora nos testes de cadeira e escada (p = 0,0001; d = 1,48 ep = 0,003; d = 0,78, respectivamente) do que o grupo aeróbico (p = 0,005; d = 0,75 ep = 0,05; d = 0,41, respectivamente).Conclusão: O treinamento de Pilates pode ser utilizado como método de treinamento físico alternativo para indivíduos com sobrepeso ou obesos, pois promove efeitos significativos na aptidão cardiorrespiratória, composição corporal e desempenho em testes funcionais. (AU)