Busca avançada
Ano de início
Entree

Capacidade aeróbia, força e potência muscular de crianças e adolescentes com doenças crônicas: caracterização e tratamento

Resumo

A Fisioterapia aplicada à Neuropediatria, especialmente no Brasil, tem sua ação focada em procedimentos de avaliação e intervenção terapêutica relacionadas ao desenvolvimento de habilidades neuromotoras. Porém, o desempenho motor e a qualidade de vida dos pacientes com disfunções neurológicas tornam-se reduzidos, crônica e progressivamente, por acometimento primário ou secundário do tecido muscular esquelético. A inatividade física, que representa um acometimento secundário do sistema, aumenta os riscos para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, metabólicas (incluindo Obesidade), aumento do gasto energético em tarefas cotidianas, e ocorrência de fadiga muscular precoce. Neste contexto, diferente do que é observado para a população de adultos com doenças crônicas, a abordagem pediátrica ainda guarda ressalvas quanto a eleição de modalidades terapêuticas e dosagens, as quais estão relacionadas ao gênero, idade, maturação sexual dos pacientes, grupos musculares envolvidos na tarefa e doença de base. Tais ressalvas são ainda maiores quando o paciente apresenta debilidades em seus membros inferiores, especialmente quando estas são de caráter progressivo. Portanto, é fundamental investigar e parametrizar variáveis relacionadas à capacidade aeróbia e ao desempenho muscular de crianças e adolescentes com doenças como espinha bífida, distrofias musculares e Polineuropatias sensitivo-motoras, nas quais as estratégias de avaliação e intervenção para manutenção da qualidade de vida deverão estar focadas nos membros superiores, que são menos acometidos que os membros inferiores. Este projeto de pesquisa objetiva desenvolver e validar instrumentos de avaliação de capacidade aeróbia e de resistência muscular à fadiga que possam ser utilizados como rotina terapêutica e subsequentemente, intervir por meio do desenvolvimento de protocolo de treino direcionado à disfunção clínica considerando a doença de base. (AU)