Busca avançada
Ano de início
Entree

Eletroencefalografia (EEG) como ferramenta de avaliação de inconsciência de Tilápia do Nilo no processo de abate

Processo: 18/23317-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2019 - 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Pesquisador responsável:Elisabete Maria Macedo Viegas
Beneficiário:Elisabete Maria Macedo Viegas
Instituição-sede: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga , SP, Brasil
Pesq. associados: Carla Forte Maiolino Molento ; Johannes Wilhelmus van de Vis ; Marinus Adrianus Gerritzen
Assunto(s):Eletroencefalografia  Peixes  Anestesia  Piscicultura  Percussão 

Resumo

Recentemente a World Organization for Animal Health - OIE, por meio do Código de Animais Aquáticos, recomendou inserir práticas de bem-estar no transporte e abate de peixes destinados ao consumo humano. No entanto, os métodos tradicionais de abate de peixes no Brasil não são considerados humanitários. A eficiência da insensibilização pode ser avaliada por indicadores comportamentais, ou pela mensuração de atividade elétrica no encéfalo, eletroencefalografia - EEG. O registro de EEG considera-se a metodologia de eleição devido a que permite uma avaliação precisa do inicio e duração da inconsciência. Nosso objetivo é aplicar a técnica de EEG para avaliar o início e duração da inconsciência em tilápias do Nilo submetidas a diferentes métodos de insensibilização. Tilápias do Nilo com peso de abate serão utilizadas em 3 experimentos. Para colocar os eletrodos, lidocaína será utilizada como anestésico local no local acesso dos eletrodos. Os registros EEG serão analisados utilizando o software Labchart. As variáveis de análise espectral serão determinadas, assim como o inicio, duração e finalização da inconsciência. No Exp. 1, a pistola de perno cativo perfurante será utilizada como método de insensibilização/abate, sendo avaliada a eficiência da insensibilização por EEG, assim como a análise comportamental dos mesmos. No Exp. 2, o uso de óleos anestésicos como anestésicos será avaliado, analisando a indução e duração da inconsciência. No Exp 3, um óleo será selecionado para ser utilizado no processo pré-abate incluindo a sangria, avaliando a efetividade do procedimento na indução e manutenção da inconsciência por EEG. (AU)