Busca avançada
Ano de início
Entree

Reprogramação do metabolismo de Trypanosoma Cruzi resultante da incubação do parasita com a matriz extracelular do hospedeiro

Processo: 19/02990-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de março de 2019 - 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Bioquímica de Microorganismos
Pesquisador responsável:Maria Julia Manso Alves
Beneficiário:Maria Julia Manso Alves
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/19854-0 - Vias de sinalização envolvidas na interação de Trypanosoma Cruzi com matriz extracelular proveniente de diferentes linhagens celulares, AP.R
Assunto(s):Matriz extracelular  Metaboloma  Glicólise  Trypanosoma  Proteoma 

Resumo

Trypanosoma cruzi, causador da Doença de Chagas, afeta cerca de 8 milhões de pessoas. As formas tripomastigotas, infectantes, interagem com a matriz extracelular (ECM) do hospedeiro vertebrado, antes da invasão propriamente dita das diferentes células do organismo. Neste trabalho foi analisado o proteoma, o fosfoproteoma e o metaboloma de tripomastigotas incubados com ECM comercial (MTy), assim como tripomastigotas não incubados (Ty, controle). Diversas proteinas envolvidas em diferentes processos do parasita (glicólise, quinases, componentes do citoesqueleto, e outros) tem seu nível de fosforilação alterado em MTy. Diminuição nos níveis de fosforilação de enzimas, como hexoquinase, fosfofrutoquinase, frutose -2,6- bisfosfatase, fosfoglucomutase, fosfoglicerato quinase também foram detectadas em MTy. Concomitantemente, por GC-MS foram detectados em MTy aumento nos níveis de glicose e diminuição nos níveis de piruvato e de lactato, sugerindo mudanças na via glicolítica. As medidas das atividades de hexoquinase, piruvato quinase e lactato desidrogenase em MTY tratado ou não com fosfatase alcalina confirmaram o papel da fosforilação na atividade dessas enzimas. Adicionalmente, as quinases com nível de fosforilação alterado em MTy foram identificadas in silico.O conjunto dos resultados sugere que as formas tripomastigotas, além de mudanças no citoesqueleto e de ativação de proteases, reprogramam seu metabolismo desencadeado pela interação com a ECM antes da invasão de células do hospedeiro e de sua diferenciação para amastigotas, estágio intracelular do T. cruzi no hospedeiro vertebrado. (AU)