Busca avançada
Ano de início
Entree

Utilização da embalagem à vácuo em cadáveres de cães quimicamente preparados visando ao ensino da cirurgia veterinária - análise biomecânica, microbiológica e avaliação dos graduandos e pós-graduandos do curso de Medicina Veterinária

Processo: 18/18567-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2019 - 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Fabrício Singaretti de Oliveira
Beneficiário:Fabrício Singaretti de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Pesq. associados:Andrigo Barboza de Nardi ; Bruno Watanabe Minto ; Luis Gustavo Gosuen Gonçalves Dias ; Marita Vedovelli Cardozo
Assunto(s):Cirurgia  Conservação  Anatomia animal  Anatomia 

Resumo

Para que não haja deterioração dos tecidos, as peças anatômicas são fixadas. A fixação é extremamente importante, pois mantém os tecidos firmes, insolúveis e protegidos. O formaldeído é o fixador e conservante mais utilizado e, embora ainda seja muito utilizado nos laboratórios de anatomia, é prejudicial à saúde e traz sério risco ambiental. Outros agentes, como o álcool etílico, também já foram utilizados na boa fixação de músculos de aves, assim como o sal de cura (cloreto, nitrito e nitrato de sódio) testado com sucesso na conservação de peças anatômicas. Além disso, é imperioso ter muito critério quanto ao uso de animais em pesquisa e atividades de ensino e, consequentemente, a busca por métodos alternativos à este uso e que não tragam prejuízo acadêmico ou científico é essencial. Assim, objetiva-se, com este trabalho, determinar a viabilidade e características biomecânicas, microbiológicas de uma técnica anatômica utilizando álcool etílico e sal de cura na fixação/conservação de cadáveres por até 6 meses. Pele e jejuno serão analisados biomecanicamente, e as soluções fixadoras/conservantes analisadas microbiologicamente. Resultados preliminares, sem utilização do vácuo, demonstram grande potencial do emprego dessas substancias na fixação e conservação de peças anatômicas ao longo de meses em nosso laboratório, as quais apresentam boa maleabilidade e aspecto visceral similar ao observado em cadáveres frescos. (AU)