Busca avançada
Ano de início
Entree

Compreendendo as síndromes de microdeleção: o modelo da síndrome de Smith-Magenis

Resumo

1- Mini-curso de Pós-graduação, 3 créditos (45 horas/aula), em inglês- Compreendendo as síndromes de microdeleção: O modelo da síndrome de Smith-Magenis; 2- Discussão do Projeto:"Análise genômica da região crítica da síndrome de Smith-Magenis (17p11.2) para investigação de variabilidade de SNPs e sua correlação com a variabilidade do espectro fenotípico". Resumo: A Síndrome de Smith-Magenis (SMS) é caracterizada por déficit cognitivo de grau variável, alterações no padrão de sono, anomalias esqueléticas e craniofaciais, automutilação e atraso no desenvolvimento motor e da fala, apresentando uma ocorrência de 1 a cada 15.000 a 25.000 nascidos vivos. É um distúrbio de origem genética, provocado pela deleção na região cromossômica 17p11.2, que compreende o gene retinoic acid-induced 1 (RAI1) dentre outros genes. O gene RAI1 parece ser o principal gene envolvido na síndrome, porém, relatos recentes na literatura sugerem que outros genes em 17p11.2, ou ainda, a presença de mutações ou variações nucleotídicas como SNPs (single nucleotide polymorphisms) neste segmento poderiam contribuir para a variação fenotípica em casos de perda de heterozigose. Com o objetivo de ampliar o conhecimento das alterações genômicas envolvidas nesta região, caracterizando ou definindo o perfil genômico da síndrome, propomos a confirmação do diagnóstico clínico e laboratorial (bandamento G e FISH) de 20 pacientes com SMS registrados no Serviço de Aconselhamento Genético (SAG-IBB/Unesp), a definição dos pontos de quebra da região deletada por análise de microarranjos da Hibridação Genômica Comparativa (a-CGH), e a análise de polimorfismos únicos de nucleotídeos (SNPs) na região crítica para Smith-Magenis (17p11.2) utilizando-se um painel de sequenciamento. Ainda, como sub-projeto, utilizaremos a estrutura montada com a verba deste projeto para avaliarmos outros 20 pacientes portadores de aberrações cromossômicas peculiares porém com diagnósticos inconclusivos, e desta forma, com as novas metodologias de análise, poderemos caracterizar com maior precisão a anomalia cromossômica e seu papel no fenótipo, bem como melhorar a acurácia do Aconselhamento Genético. 3- encontro entre a Dra. Smith e os membros da Associação Brasileira da Síndrome de Smith-Maguenis para atualização do manejos destes pacientes, bem como troca de experiências, uma vez que a Dra. Smith tem participado de várias reuniões de pais tanto nos EUA - Parents and Researchers Insteresting in Smith-Magenis Síndrome (PRISMS) como em outros países tais como Alemanha, Holanda, França, etc. (AU)