Busca avançada
Ano de início
Entree

A saliva de Aedes Aegypti prejudica o fenótipo pró-inflamatório M1 sem promover ou afetar a polarização de Macrófagos M2 murinos

Processo: 19/04550-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de abril de 2019 - 30 de setembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Pesquisador responsável:Anderson de Sá Nunes
Beneficiário:Anderson de Sá Nunes
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Saliva  Aedes aegypti  Inflamação  Macrófagos 

Resumo

Fundamentação: Durante o repasto sanguíneo, as peças bucais dos mosquitos hematófagos atravessam a barreira cutânea e exploram o tecido para encontrar sangue. A saliva inoculada nesse microambiente modula a hemostasia, inflamação e respostas imunes do hospedeiro. Entretanto, os mecanismos envolvidos nessas atividades biológicas permanecem pobremente compreendidos e poucos estudos examinaram os potenciais papeis da saliva de mosquitos sobre componentes celulares individuais do sistema imune. Aqui, reportamos as atividades imunomoduladoras do coquetel salivar de Aedes aegypti em macrófagos peritoneais murinos.Resultados: O extrato de glândulas salivares (EGS) de Ae. aegypti inibiu a produção de óxido nítrico e de citocinas inflamatórias como interleucina-6 (IL-6) e IL-12, assim como a expressão da enzima óxido nítrico sintase induzida e de NF-kB pelos macrófagos murinos estimulados com lipopolissacarídeo (LPS) e interferon-g (IFN-g). A capacidade respiratória de reserva, tão bem como as atividades fagocíticas e microbicidas foram também reduzidas pelo EGS de Ae. aegypti. Essas alterações fenotípicas são consistentes com a supressão do programa pró-inflamatório de macrófagos M1. Por outro lado, o EGS de Ae. aegypti não influenciou os marcadores associados com M2 (ureia, arginase-1 e receptor de manose-1), tanto em macrófagos alternativamente ativados por IL-4 quanto naqueles classicamente ativados por LPS e IFN-g. Além disso, o EGS de Ae. aegypti não apresentou atividade de ligação a citocinas, tampouco afetou a viabilidade dos macrófagos, excluindo assim possíveis artefatos experimentais.Conclusão: Dada a importância dos macrófagos em diversos processos biológicos, nossos resultados ajudam a esclarecer como a saliva de vetores artrópodes modulam a imunidade do hospedeiro vertebrado. (AU)