Busca avançada
Ano de início
Entree

Marcadores bioquímicos de stress, dor e inflamação intestinal em cordão umbilical de recém-nascidos com gastrosquise

Processo: 18/03008-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2019 - 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Rossana Pulcineli Vieira Francisco
Beneficiário:Rossana Pulcineli Vieira Francisco
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Ana Cristina Aoun Tannuri ; Daniel Ciampi Araujo de Andrade ; Mara Sandra Hoshida ; Maria de Lourdes Brizot ; SAMIRAH HOSNEY MAHMOUD MOHAMED
Assunto(s):Catecolaminas  Hidrocortisona  Gastrosquise  beta-Endorfina 

Resumo

Introdução: A gastrosquise é um defeito no fechamento da parede abdominal com evisceração dos órgãos abdominais sem membrana peritoneal recobrindo o conteúdo exteriorizado. A incidência tem aumentado nas últimas décadas, variando de 4 a 5 por 10.000 nascidos vivos, com aumento de 6% a cada 2 anos, nos últimos 10 anos. Embora o desfecho da gastrosquise seja bom, essa malformação ainda está associada a importante morbimortalidade perinatal. A prevalência do óbito fetal intraútero na gastrosquise é sete vezes maior do que a população geral. Após 32 semanas, esse risco agrava ainda mais a cada semana de gestação. Estudos não específicos para gastrosquise mostraram que o feto é capaz de apresentar resposta hormonal frente a situação de stress. Esse estudo tem como objetivo extender essa teoria para fetos com gastrosquise e correlacionar seus achados com dados pré e pós-natais. Objetivos: 1) Avaliar os níveis de marcadores bioquímicos (MB) do stress, dor e inflamação em cordão umbilical de recém-nascidos (RNs) com gastrosquise; 2) Correlacionar os níveis dos MB materno com os níveis dos RNs; 3) Correlacionar os resultados da gasometria arterial dos RNs com os MB; 4) Correlacionar os níveis dos MB em RNs com gastrosquise com: os achados ultrassonográficos antenatal e da cardiotocografia computadorizada anteparto (CTGc); com presença de gastrosquise complexa e com resultados pós-natais. Métodos: Durante o acompanhamento do pré-natal será realizada ultrassonogragia 4D (USG-4D) fetal para avaliação indireta da dor fetal por meio da adaptação das escalas da avaliação da dor em em RNs: a NFCS (neonatal facial coding systen= sistema de codificação neonatal facial) e a NIPS (neonatal infant pain scale = escala de dor no recém-nascido e no lactente). Para as gestantes será aplicado o teste de modulação condicionada da dor (MCD), breve bateria que avalia o quanto um estímulo levemente desconfortável aplicado em parte proximal do corpo é modulado por estímulo desconfortável realizado em área corpórea distal. Na ocasião do parto serão coletadas amostras sanguíneas de gestantes com fetos portadores de gastrosquise e de gestantes de fetos sem malformação. Após o clampeamento do cordão umbilical, antes da dequitação placentária, serão coletadas amostras de sangue do cordão umbilical. No sangue materno e de cordão umbilical serão dosadas as concentrações dos seguintes substâncias: beta-endorfina (²-END), cortisol (CORT), adrenalina (ADR), noradrenalina (NOR), substância P (SUBST-P), peptídeo relacionado com o gene da calcitonina (GCRP - Calcitonin gene-related peptide), peptídeo vasoativo intestinal (VIP - vasoactive inestinal peptide). No sangue dos RNs será aferida também a gasometria arterial. Serão comparadas as concentrações plasmáticas destas substâncias entre RNs com e sem gastrosquise. Nos RNs com gastrosquise será avaliada a associação desses hormônios com: 1. parâmetros ultrassonográficos das alças intestinais e conteúdo exteriozado antenatais; 2. parâmetros da CTGc anteparto; 3. presença de gastrosquise complexa; 4. resultados pós-natais. (AU)