Busca avançada
Ano de início
Entree

Estéticas pós-antropocêntricas: rumo a sistemas biohíbridos

Processo: 18/24452-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2019 - 31 de março de 2021
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Artes - Artes do Vídeo
Pesquisador responsável:Cesar Augusto Baio Santos
Beneficiário:Cesar Augusto Baio Santos
Instituição-sede: Instituto de Artes (IA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Novas tecnologias  Bioarte  Criação artística  Arte e tecnologia 

Resumo

Este projeto de pesquisa propõe uma investigação interdisciplinar envolvendo as áreas de artes, ciências da natureza e tecnologias da comunicação e informação. Nas primeiras décadas do século XXI as relações entre tecnociência, natureza sociedade vem se reconfigurando de maneira vertiginosa, transformando radicalmente paradigmas e práticas culturais que foram construídas ao longo da modernidade, em especial aqueles que fundamentam a separação entre a técnica, o humano e a natureza. Os sistemas informacionais tornam-se pervasivos e, ao mesmo tempo, assumem escala global, atingindo capacidades sobre-humanas de processamento de dados (big data) e de análise de padrões e predição (Inteligência Artificial). Estas transformações colocam em questão a estabilidade sociopolítica em escala local e global (Benjamin Bratton) das arquiteturas de poder (comunicação, controle social, representação política, economia e governabilidade) forjadas na modernidade. Ao mesmo tempo, as perspectivas desenhadas por Donna Haraway e Jason Moore colocam as tecnologias da informação no centro das discussões sobre as mudanças climáticas e o Capitaloceno - era geológica em que o capital determina a geografia planetária. Diante deste contexto, a presente pesquisa tem o objetivo geral de discutir as relações entre os sistemas informacionais mais recentes, baseados em processamento de dados em massa e em inteligência artificial, os sistemas vivos que compõe o ecossistema planetário e os objetos simbólicos produzidos no campo da arte - em especial, das práticas artísticas experimentais que assumem a tecnologia e a ciência como mídia para seus procedimentos artísticos. Metodologicamente, a pesquisa está dividida em três frentes de ação. A primeira parte de uma revisão das perspectivas críticas ao antropocentrismo do humanismo moderno (Eduardo Viveiros de Castro, Bruno Latour, Boaventura Souza Santos, Marisol de la Cadena, Henrique Cunha, Brian Massumi e Vilém Flusser), interrogando o modo como este pensamento emergente reposiciona as relações entre técnica, natureza e existência humana. Este aprofundamento teórico busca fornecer parâmetros críticos para a segunda frente de ação, centrada na análise da produção artística das últimas duas décadas que se dedica às questões aqui levantadas, tal como recortada por este projeto. As discussões teóricas e analíticas serão aprimoradas a partir de um processo de retroalimentação dinâmica com a prática artística experimental. Nesta terceira frente de ação, parte-se da criação de sistemas "biohíbridos" baseados em Inteligência Artificial, sensoriamento de sistemas vivos e construção digital, em busca da elaboração de obras artísticas que articulem formal e sensivelmente modos de existência que respondam às novas articulações entre técnica, natureza e humanidade. (AU)