Busca avançada
Ano de início
Entree

Butirato de sódio microencapsulado em dietas para frangos de corte desafiados com Eimeria spp.

Resumo

O objetivo deste trabalho será avaliar o efeito do butirato de sódio microencapsulado (BSM) em substituição aos antibióticos sobre o desempenho, o sistema imune, a taxa de turnover da mucosa intestinal, morfometria e escores de lesão do intestino delgado, contagem de oocistos nas excretas, além de caracterizar grupos bacterianos específicos presentes na mucosa do intestino delgado de frangos de corte desafiados com Eimeria spp. Para isso, serão conduzidos dois experimentos, em que no 1o serão utilizados 1.050 pintos de corte machos, distribuídos em DIC, com seis tratamentos: T1- controle negativo - ração basal sem antibiótico (RB) (aves não desafiadas); T2- controle negativo - RB (aves desafiadas); T3- controle positivo - RB com inclusão de antibiótico (aves desafiadas); T4- RB com inclusão de 0,10% de BSM (aves desafiadas); T5- RB com inclusão de 0,15% de BSM (aves desafiadas); T6- RB com inclusão de 0,20% de BSM (aves desafiadas), com cinco repetições. Aos 16 dias de idade, as aves desafiadas serão inoculadas oralmente e individualmente com oocistos de Eimerias e as aves não desafiadas serão inoculadas com solução salina, para que também sofram o estresse da inoculação. Serão coletados dados de desempenho para os períodos acumulados de 1 a 21 e 1 a 42 dias de idade. Aos 14, 21 e 42 dias de idade serão avaliados os escores de lesão no intestino delgado de 10 aves/tratamento e então, realizadas as análises de microbiota intestinal por meio da técnica de DGGE e PCR-RT e colhidos 3mL de sangue para a realização de análises imunológicas. No 2o experimento serão alojados 1.200 pintos de corte machos, distribuídos em DIC, com cinco tratamentos: ração basal (RB); RB + antibiótico; RB + 0,10% de BSM; RB + 0,15% de BSM; RB + 0,20% de BSM, com seis repetições. Para avaliar a taxa de turnover, as aves receberão dietas a base de arroz (C3) e serão coletadas amostras de mucosa intestinal aos 0, 1, 2, 3, 4, 7, 14 e 21 dias de idade. Aos 16 dias as aves de todos os tratamentos serão inoculadas com oocistos de Eimerias e, a partir de 21 dias, para avaliar a taxa de turnover após desafio, as aves passarão a receber dietas a base de milho (C4), sendo coletadas amostras de mucosa intestinal aos 21,5; 22; 24; 28; 35 e 42 dias de idade. Essas amostras serão analisadas isotopicamente por espectrometria de massa antes e após desafio. Para as análises morfométricas, aos 14, 21 e 42 dias de idade, serão colhidos segmentos do duodeno e jejuno. Aos 5, 6, 7, 8, 9, 10, 12, e 19 dias após inoculação serão avaliados os escores de lesão do intestino delgado. Antes da inoculação e aos 4, 5, 6 e 7 dias após a inoculação serão coletadas amostras de excretas de cada unidade experimental para contagem de oocistos, em ambos os experimentos. Os dados serão submetidos a ANOVA pelo procedimento GLM e, quando houver efeito significativo, as médias serão comparadas pelo teste de Tukey com 5% de significância. As análises de turnover da mucosa intestinal serão realizadas pelo método de regressão exponencial. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio: