Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos impactos ambientais e da viabilidade agronômica e socioeconômica em um sistema de aquaponia no sítio São João - São Carlos - SP

Processo: 18/26654-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2019 - 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química
Pesquisador responsável:Maria Olímpia de Oliveira Rezende
Beneficiário:Maria Olímpia de Oliveira Rezende
Instituição-sede: Instituto de Química de São Carlos (IQSC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Aquaponia  Educação ambiental  Química ambiental 

Resumo

O projeto ora apresentado tem como foco o consórcio entre a hidroponia e a aquicultura: a aquaponia. Na aquicultura, há necessidade de trocas de água, sendo essa água rica em nutrientes de elevado potencial agronômico, que são úteis à agricultura e podem ser nocivos se descartados inadequadamente no ambiente. A aquaponia contempla a produção de alimentos, utilizando peixes e plantas em um ambiente simbiótico, com menor consumo de água e alto aproveitamento do resíduo orgânico. O termo vem da junção das duas palavras, 'aquicultura' e 'hidroponia'. As vantagens observadas na aquaponia são a baixa utilização de água, a possibilidade de produção de alimentos no meio urbano, o aproveitamento de dejetos produzidos por peixes, o controle da proliferação de algas e fungos, a diversificação da produção e geração contínua de renda e a minimização de riscos ambientais quanto à contaminação. Além disso, esse sistema sugere a reutilização total da água, o que evita o desperdício e diminui a liberação de efluente no meio ambiente, sendo, assim, mais eficiente na utilização da água e geração de efluente que a própria hidroponia. Os nutrientes contidos na água efluente do tanque de peixes servem de fertilizante para o crescimento das plantas sob cultivo hidropônico. O uso dos nutrientes pelas plantas simula um tratamento da água, podendo, assim, ser novamente introduzida no viveiro de peixes, reiniciando o processo. O uso da água diretamente do manancial faz-se necessário apenas para perdas por evaporação, uma vez que, a aquaponia preza pela reutilização de água. Este projeto visa à expansão do sistema já iniciado no sítio São João, local com histórico em projetos de educação ambiental, que conta com um Centro Sustentável de Educação Ambiental. O sítio São João reúne, portanto, condições importantes para ter sido escolhido como o local de implementação do sistema aquapônico. Com o objetivo de tornar rentável a comercialização de peixes e diversificar a produção de vegetais, é mandatório aumentar a infraestrutura. Assim, pretende-se no decorrer deste projeto expandir o atual sistema, construindo mais caixas de sustentação para o plantio de vegetais. Atualmente a plantação privilegia apenas o cultivo de tomates. Tomates foram escolhidos por serem vegetais em que, geralmente, se utilizam muitos agrotóxicos. No entanto, vale ressaltar que nenhum agrotóxico foi utilizado. Com a produção diversificada será possível fazer uma análise socioeconômica de um sistema aquapônico comparado a um sistema de agricultura convencional. A partir dessa análise, vislumbra-se a possibilidade e potencialidade de expandir sistemas aquapônicos para outras regiões da bacia hidrográfica, uma vez que nos arredores da propriedade encontram-se muitos sítios de porte médio. Do ponto de vista educacional, a necessidade de capacitar o pequeno produtor para o adequado e sustentável funcionamento do sistema ampliará os canais de comunicação e sensibilização com os consumidores, governos locais, comitês de bacias hidrográficas e agências de regulação e licenciamento relacionadas à questão das águas. A comercialização de peixes e a variedade de vegetais plantados trará retorno financeiro ao produtor. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.