Busca avançada
Ano de início
Entree

Continuidade e mudança em grupos pré-históricos do Vale do Ribeira de Iguape (São Paulo e Paraná): aplicações da teoria evolutiva a bioarqueologia e estudos de cultura material

Processo: 18/23282-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de maio de 2019 - 30 de abril de 2023
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Arqueologia - Arqueologia Pré-histórica
Pesquisador responsável:Maria Mercedes Martinez Okumura
Beneficiário:Maria Mercedes Martinez Okumura
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Artur Chahud ; Astolfo Gomes de Mello Araujo ; Bruce Arlan Bradley ; Cláudia Inês Parellada ; Fabio Parenti ; Gabriela Sartori Mingatos ; Glauco Constantino Perez ; João Carlos Moreno de Sousa ; Kendra Ann Sirak ; Renata Pedroso de Araújo ; Ron Pinhasi
Assunto(s):Holoceno  Bioarqueologia  Cultura material 

Resumo

O Vale do Ribeira de Iguape, localizado no sul do Estado de São Paulo, é uma das raras regiões brasileiras que apresenta ocupações humanas pré-históricas das quais se preservaram tanto remanescentes esqueletais humanos quanto sua cultura material ao longo de todo o Holoceno. Portanto, essa região apresenta-se como ideal para entender o povoamento humano de longa duração, incluindo questões de contato, identidade e mudança cultural e biológica, a serem exploradas a partir da análise tanto de esqueletos humanos, quanto de cultura material. Assim, o projeto em pauta tem por objetivo explorar a diversidade biológica e cultural da região do Vale do Ribeira de Iguape a partir de uma abordagem evolutiva e interdisciplinar aplicada tanto a populações humanas pretéritas, quanto aos artefatos produzidos por essas populações. No caso das análises bioarqueológicas (baseadas em remanescentes esqueletais), serão utilizados métodos de biodistância, baseados na morfologia craniana e também na análise paleogenômica (DNA antigo). Já os estudos de cultura material, focados nos artefatos líticos formais, serão feitos a partir de abordagens teoricamente embasadas, como a Arqueologia Evolutiva e a Teoria de Transmissão Cultural. Espera-se que a união desses estudos bioarqueológicos e de cultura material possam gerar conhecimento a respeito da diversidade biológica e cultural humana pré-histórica ao longo do tempo nessa região. (AU)